[2001] Amigas y Rivales

A fórmula do produtor Emilio Larrosa sobre “quatro amigas totalmente diferentes entre si” chegou ao clímax com Amigas y Rivales, um grande sucesso do horário das 19h em 2001 e talvez um dos trabalhos mais competentes do produtor.

Na trama, quatro jovens se veem unidas pela inesperada amizade que surge entre elas. Jimena De la O (Ludwika Paleta) é arrogante, e vive em festas regadas a álcool e drogas, fruto do seu desentendimento com seu pai, Roberto (Eric del Castillo). Sua melhor amiga, Ofélia (Adamari Lopez) tem sua vida radicalmente mudada com a descoberta de ser portadora do vírus da Aids. Diferente delas, Laura (Michelle Vieth) é uma jovem de classe média estudiosa e trabalhadora, e que se verá dividida entre o amor de Roberto e seu filho, Roberto Jr. (Arath de la Torre). Roberto Jr., por sua vez, também é o alvo do amor impossível da sonhadora Nayeli (Angélica Vale), empregada dos De la O. Além disso, sonha em trabalhar nos EUA, mesmo cruzando a fronteira ilegalmente. No caminho delas, ainda a presença da psicopata Roxana (Joana Benedek), a esposa de Roberto, e que está disposta a tudo para conseguir o que deseja.

amigas-01Emilio Larrosa foi muito feliz com Amigas y Rivales. Muchachitas (1991) e Soñadoras (1998) já haviam sido estrondosos sucessos juvenis, mas Amigas y Rivales acertava ao também dialogar com o público adulto, sendo uma das novelas mais completas do produtor. Muitas histórias de amor, ação, suspense e humor durante os 9 meses em que a novela ficou no ar, totalizando 185 capítulos, a maior deles, em primeiro lugar absoluto de audiência, superando as novelas das 20h e das 21h (La Intrusa e Sin Pecado Concebido). Além disso, a abordagem séria de assuntos do momento foi outro elemento que com certeza contribuiu para a grande repercussão dessa novela.

Se em Soñadoras, Emilio tratou com profundidade o vício pela cocaína, Amigas y Rivales foi a fundo na droga que surgia naquele momento: o ecstasy. Na história, Jimena, uma das protagonistas, era viciada por não conseguir resolver seus problemas. Em função fisso, volta e meia, aparecia transtornada em função do consumo de ecstasy. Não era a única personagem, Johnny (Johnny Lozada), um campeão de boxe, acabava deslumbrado pelo sucesso, e também caía no vício. Uma clínica chamada “Nueva Vida”, comandada pelo Dr. Carlos (René Strickler) – e praticamente igual a que aparecia em Soñadoras – surgia para reabilitar os jovens da dependência química.

Outro tema tabu das telenovelas foi tratado a fundo e foi o HIV – o vírus da Aids. Logo no começo da novela, Ofélia se descobria soropositiva e passava por várias etapas até a aprender a conviver com a doença. Primeiro, se isolava de todos, tentava inclusive o suicídio, até descobrir o amor com Ulisses (Gabriel Soto). Com o tempo, então, iniciava o tratamento, e a sentença de morte que a doença significava começa a desaparecer.

amigas-02Com a gama de assuntos densos (que também incluíram estupro, gravidez precoce, alcoolismo, imigração ilegal, relacionamento entre pessoas de diferentes faixas etárias, etc), o sucesso de Amigas y Rivales só foi possível porque tudo isso veio costurado por uma trama folhetinesca e movimentada por um ritmo frenético. O eixo central: a família De La O. E foi ali que a novela viu surgir uma grande vilã. Roxana Brito foi uma das melhores vilãs de Emilio Larrosa, reunindo em sua trajetória grandes elementos de êxito: a princípio, ela parecia apenas uma mulher bela e sensual, e que se recusava ter intimidade com o marido alegando um estupro. Logo em seguida, começa a seduzir o filho do esposo, enquanto seu casamento termina. E a partir dali, vira uma assassina em série, com inúmeras mortes (algumas engraçadas, outras bem violentas), e motivos para destruir todas as protagonistas. Pode-se dizer que Roxana seguramente foi um dos trunfos que fisgou a audiência da trama. Numa das melhores cenas, Roxana vai reclamar com Laura que ela foi flagrada beijando Roberto Jr. e simula um golpe que ela usa para justificar que havia perdido seu bebê! Uma das melhores sequencias da novela!

Já no campo amoroso, Emilio Larrosa novamente não trabalhou com casais pré-estabelecidos, mantendo a atenção por muitos meses. Jimena, começou a novela apaixonada pretendida por Armando (Rodrigo Vidal), se apaixonou por Johnny, e depois por Carlos, e terminou com o rancheiro Pepe (Eduardo Santamarina). Já Nayeli, que sempre esteve apaixonada por Roberto Jr., se envolveu com Frank (Luis Roberto Guzmán), era pretendida por Johnny, e mais tarde, se envolveu com Ernesto Laguardia (vivendo ele mesmo!). Laura a princípio namorou Roberto, mas ao acreditar que era filha dele, acabou se afastando e se aproximando de Roberto Jr. – quando a confusão de paternidade já havia sido resolvida. E Ofélia foi a única que teve uma relação mais definida desde o começo da novela, e com Ulisses, o feio (Gabriel Soto), formou o casal preferido de todos. Ainda que, entre idas e vindas, ele quase tenha se envolvido com Tamara (Manuela Imhaz), a rival de Jimena, e a prostituta Georgina (Mayrin Villanueva) – essas duas, novas amigas que se incorporaram ao grupo ao longo da novela.

amigas-03E por falar em Ulisses, este foi outro personagem que caiu no gosto do público. Com um humor extremamente caricato, o personagem era feio, cheio de espinhas, desarrumado e com um jeito peculiar de dançar e se vestir. Foram muitos capítulos esperando que ele mudasse de visual, e como era de se esperar, havia um belo galã por trás do feio. O sucesso do personagem continuou alto, porque mesmo com a mudança de visual já na metade da novela, Ulisses seguiu engraçado, encantador e atrapalhado.

Outra trama de comédia envolvia Mocho (Rafael Inclán), padrinho de Nayeli – e que a certa altura, se revelava seu verdadeiro pai. A princípio, ele era um desempregado que se fingia de gay para trabalhar em um salão de beleza. Mas a história se esgotou rápido, e Emilio sacou da manga um irmão gêmeo rico, Manuel. Manuel e Mocho trocaram de lugar, rendendo algumas confusões.

Para manter o interesse da trama alto, como é típico nas novelas do produtor, muitos personagens surgem, outros desaparecem, e outros vão mudando seu perfil ao longo da trama. Um exemplo claro disso é Ángela (Susana González). A princípio, uma mulher fácil, melhor amiga de Roxana, com moral bem duvidosa. Foi se transformando numa mulher sofrida, que no passado havia sido namorada de Carlos e afastada dele por sua mãe Sonia (Felicia Mercado). Então, de quase prostituta, transformou-se numa mártir, que havia adotado uma menina pequena, e saiu pouco antes da trama, assassinada por Roxana. A família de Manuel dela Colina, o irmão gêmeo rico de Mocho, já havia sido introduzida com a presença de um filho que havia engravidado Andrea (Marisol Mijares) – a irmã de Laura. Mas ele era irrelevante, e Tamara sim teve mais peso ao longo da novela.

amigas-04Num dos capítulos mais decisivos da novela, Jimena é trancafiada na casa de Sebastián (Alejandro Ávila), um dos mais pérfidos vilões da trama, e que a obrigava a se prostituir em troca de alimentar seu vício em drogas. As outras amigas invadem o apartamento e salvam Jimena, com a prisão de Sebastián. Só que, no esticamento da novela, Sebastián sai livre e resulta que ele era um grande amigo…de Roxana! Assim, mil e uma maldades surgiram daí: sequestros, armações, e num dos casos mais insólitos, Sebastián se caracterizava como um velhinho e se fazia passar por pai de Georgina para saber o que os De La O sabiam sobre Roxana! Um momento de delirante criatividade do roteiro!

Havia ainda o núcleo de Johnny já famoso como boxeador e disposto a virar ator de novela. Surgia em cena o próprio produtor Emilio Larrosa – mas vivido pelo ator Luis Couturier – junto com Alejandro Pohlenz (co-autor da novela) e Salvador Garcini (o diretor da novela) para movimentar a trama. Só que, com o decorrer dos capítulos, percebeu-se que esse núcleo funcionaria mais para Nayeli. Conclusão: Johnny foi perdendo importância e Nayeli centralizou a ação virando estrela de novela! É quando Ernesto Laguardia surge vivendo ele mesmo e se apaixona por Nayeli! Neste núcleo, surge uma atriz que fora sua ex-namorada, Paula (Nailea Norvind).

E por fim, o último acréscimo de peso do elenco: Eduardo Santamarina, para viver um inusitado par com Ludwika Paleta. O público se dividiu entre Carlos e Pepe, mas Pepe levou a melhor no final. Ao dia seguinte da exibição do último capítulo, foi exibido um especial, onde mostrava um final alternativo, onde Jimena se decidia por Carlos.

amigas-05Apesar da inventividade de Emilio Larrosa e Alejandro Pohlenz para conduzir a história, é notório que a novela perdeu um pouco do ritmo frenético com o esticamento da trama. Aliás, a novela chegou a ter suas “últimas semanas” anunciadas, quando, diante da expressiva audiência, foi decidido que ela seria esticada por mais alguns meses. A qualidade da trama não caiu, mas algumas coisas começaram a se arrastar – como o sequestro da irmã de Nayeli, ou as conclusões que as amigas tiraram dos crimes de Roxana. Era aquele efeito de fazer 2, 3 capítulos, se passando num mesmo dia dentro da história. Mas, apesar de tudo, as sábias reviravoltas, souberam encaminhar a história para um desfecho com altíssimos índices de audiência.

O único porém foi que, nos dois últimos capítulos, Michelle Vieth deixou de aparecer na novela. Duas versões surgiram sobre esse acontecimento: a primeira foi que ela havia ficado doente do estômago e abandonou a gravação, e que depois, ninguém entrou em contato com ele. A segunda diz respeito a uma queixa da atriz quanto a um figurino que ela usaria. E que isso teria feito o produtor Emilio Larrosa prescindir da presença dela nas gravações da novela três dias antes da conclusão das gravações. O próprio Larrosa lamentou que “ela saísse dessa forma, justamente numa novela que havia superado os 30 pontos de audiência”. A verdade é que a presença da personagem Laura no capítulo final era imprescindível. Para justificar a ausência de Laura na formatura de Nayeli – onde Roxana invadia querendo matar a todos – foi dito que a personagem estava doente. Foi uma pena! Laura era justamente a principal inimiga de Roxana!

Salvo este incidente, foi um grande elenco reunido. A diferença de Muchachitas e Soñadoras, todo o elenco de protagonistas de Amigas y Rivales era composto por atrizes com trajetória já estabelecida. A melhor intérprete dramática entre as amigas, com certeza, foi Ludwika Paleta. A atriz retornava a televisão após alguns anos afastadas num papel difícil, e ainda que a princípio soasse como uma versão adulta da Maria Joaquina de Carrusel (1989), revelou-se um grande desafio. Com muitas etapas, ela foi vilã, vítima, drogada, reabilitada, sem perder a essência do personagem.

amigas-06Já Angélica Vale recebeu quase um presente de Emilio Larrosa. Sua Wendy Nayeli Perez reunia num só papel, todas as habilidades que Angélica Vale possuía: atriz dramática, cômica, cantora. E pode-se dizer que Angélica deitou e rolou com o papel, tornando-se com certeza uma das favoritas do público. Sua encantadora interpretação foi notória conforme o personagem ia crescendo ainda mais.

Adamari Lopez após alguns papéis como vilã, voltava a ser uma personagem do bem com Ofélia. A luta da personagem pela vida comoveu a audiência, ainda que, essa personagem, tinha tido um pouco menos de espaço que as demais. E Michelle Vieth a atriz mais fraca, tinha um personagem de mocinha mais plano. Decepcionando algumas vezes nas cenas mais dramáticas. Joana Benedek tinha o perfil ideal para viver Roxana – seguramente seu melhor personagem na TV. Maquiavélica, engraçada, sensual, a personagem marcou a carreira da atriz e a novela.

Já entre os homens, havia mais altos e baixos. Eric del Castillo voltava a viver um bom personagem com Emilio Larrosa. O produtor viu nele, já com mais de 60 anos, um perfil de um galã de meia idade. E ainda que não tinha a aparência, pode-se dizer que o primeiro ator foi um dos grandes destaques da novela. Arath de la Torre teve uma performance bastante fraca como Roberto Jr. – aqui alçado ao grande galã da novela, com muitas caras e bocas, quando o forte do ator são os personagens com um pé na comédia, enquanto este, era o típico herói de Emilio Larrosa, com erros do passado e com um pé na tragédia. Uma atuação presa, como se estivesse envergonhado. Este terreno cômico foi melhor defendido por Rafael Inclán, com bastante experiência na área. O pior ator, na verdade, foi o lançamento do cantor Johnny Lozada como ator. Muito fraco, caricato, teve um início promissor, mas o personagem acabou diminuindo ao longo da novela. Detalhe: até na novela dentro da novela, o personagem foi se apagando!

amigas-07Amigas y Rivales revelou o talento de Gabriel Soto com o simpático Ulisses. Virou o galã do momento e viria a trabalhar inúmeras vezes com o produtor. Aqui, ainda bastante verde, se defendia porque o personagem era intencionalmente caricato. Mayrín Villanueva e Manuela Imhaz também tiveram personagens de destaque. Uma curiosidade: Ana Layevska foi a primeira cotada para o papel de Tamara. Com a recusa dela, Emilio Larrosa optou por um lançamento. Susana González, que em Mujeres Engañadas (1999) e no começo de Amigas y Rivales carregava um perfil de mulher sensual, acabou se destacando a ponto de conseguir oportunidade de protagonizar em 2002 a novela Entre el Amor y el Odio.

Há que se valorizar o mérito de Emilio Larrosa de conseguir astros a altura de René Strickler, Eduardo Santamarina, Ernesto Laguardia e Nailea Norvind para entrar na novela já adiantada. René Strickler como sempre cumpriu bem com a função de galã como bom ator que é. Eduardo Santamarina, entre alguns exageros, foi divertido como Pepe. E a interpretação mais inusitada foi a de Ernesto Laguardia como ele mesmo, num plano de astro galã protagonista que há anos o próprio Ernesto já não tinha dentro da emissora.

A fórmula de “quatro amigas” teve com Amigas y Rivales um de seus melhores resultados, senão na audiência, no conjunto da obra. Emilio Larrosa voltaria a repetir o gênero em 2007, com um remake mal-sucecido de Muchachitas, batizado de Muchachitas Como Tú. Uma curiosidade: durante o capítulo do lançamento da novela de Nayeli “La Frontera del Amor” dentro de Amigas y Rivales, Jimena, Tamara e Laura preparam um musical de dublagem com a música “Tímido”, do grupo Flans. Essa mesma situação se repetiu em Muchachitas Como Tú (inclusive com o mesmo figurino). Também em 2007, o SBT realizou uma versão livre chamada Amigas e Rivais.

amigas-08Alguns detalhes fizeram a diferença na produção de Amigas y Rivales: o número elevado de externas, valorizando a novela, com destaque para o cenário da mansão na praia dos De La Ó, em Acapulco. Outros detalhes fizeram a novela cativar fãs: os números musicais abundantes, com direito a clipes, trilha sonora impecável e produção caprichada. Tudo isso, com o estilo tão único de Emilio Larrosa de fazer novela: as legendas dos personagens que tentam falar em inglês, as tomadas de câmera, os ganchos bombásticos para os próximos capítulos, e até mesmo, o elenco habitual de suas novelas: Rudy Casanova, Irina Areu, Ricardo Guerra, Sergio Defassio, Carlos Miguel, entre outros. Ou ainda, os closes de detalhes dos atores, cada vez que algum novo personagem era apresentado na novela!

O sucesso de Amigas y Rivales não foi apenas de público, ao tocar temas diferentes com a habilidade de prender a atenção como é função de uma telenovela, também fizeram a trama ser valorizada pela imprensa especializada. Imperfeita? Sim, mas uma grande novela, de êxito inquestionável.

Confira o elenco da novela! Inscreva-se no nosso Canal do YouTube!

22 comentários sobre “[2001] Amigas y Rivales

  1. Diogo

    nossa…essa novela eu fui….e ainda sou um grande fã…acontecia mta coisa….com personagens muito carismáticos e um elenco com vários atores ótimos ( e outros nem tanto)

    algumas tramas não renderam tanto…ou se esgotaram rápido demais…mas o melhor foi q eu ao invés de enrolar ou insistir…encontravam novos caminhos …só acho q o johnny foi o personagem q menos rendeu….no final, ele não ficou nem com as “amigas e rivais” que ficaram encalhadas

    nisso de sentir o calor do publico em relação a certas tramas e personagens…o tema era alguns sumirem e outros cansarem…mas acho q, como haviam muitos destaques…deu pra dar espaço para quase todos…acho q laura da metade pro final…dá uma queda de participação em relação as outras amigas…oq ficou coroado na ausência dela no final…

    adorava os musicais! kkk fiquei tão desiludido quando soube que não eram gabriel soto e arah de la torre que cantavam as músicas deles!

    e roxana…maravilhosa…bem louca, assassina…em meio a muitos temas atuais…era natural a juventude se identificar com uma madrasta gostosona e psicopata? não! mas era ótimo acompanhar as tramas deles!

  2. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Eu amo essa novela! Como disse quando anunciei nos grupos de Facebook: Amigas y Rivales tem lugar no meu “Top 10”.
    Ainda lembro como se fosse hoje, o SBT exibiu em 2002, e aqui os 185 capítulos originais viraram 220, de tanto esticamento hehehe A novela era exibida às 19h aqui também e atingia índices entre 10-12 pontos!

  3. Gabriel silva

    Eu o vi remake q o sbt fez achei mto bom Tbem ficou parecido com o original o q mais me chamou a atenção foram as diversas mortes na novela a Roxana matou metade do elenco rsrsrs
    Angelica vale e ludwika paleta estavam mto bem em seus papéis, e agora as duas foram pra telemundo

  4. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Sim, curioso. A Adamari Lopez também tá cotada pra fazer uma novela na Telemundo, e a Michelle Vieth já trabalhou lá também!
    Pra mim é difícil curtir remakes depois de ter vivido tanto a experiência da versão que eu assisti. Mas Amigas e Rivais foi meu primeiro contato, ainda na faculdade, com roteiros pra televisão! Então minha memória afetiva com a novela é ainda maior: eu traduzia alguns dos roteiros dos capítulos mexicanos pra posteriormente serem adaptados e readaptados…

  5. Guilherme

    Nossa que coincidência, eu estou acompanhando no youtube a versão do sbt de Amigas e rivais e estou adorando, to curtindo muito o texto da Letícia Dornelles que foi a autora do remake. Quero muito ver a versão original mexicana depois. Sou muito fã da Rosana, uma vilã maravilhosa ácida, engraçada, completa.

  6. Bel

    Essa novela tinha o poder incrível de tratar de assuntos pesados com muita delicadesa, passando uma levesa para telespectador.

    Não consigo definir uma “amiga” favorita, mas posso dizer que a que não me agradou muito foi a “Laura”. Mas foi um drama excelente.

    Vale a pena ver e rever.

  7. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Bel, eu também acho a Laura a personagem menos interessante entre as amigas. Principalmente porque da metade em diante, ela vai perdendo completamente a importância…Personagem vazio vai sumindo mesmo…

  8. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Matheus, pra ser sincero, tudo o que vi da série foram chamadas de episódios…

  9. Kleber

    Amigas y rivales…

    A princípio, não entendi os motivos pelos quais essa novela veio parar aqui no Brasil, já que substituiu a hiper bem sucedida Abraçame muito forte. Passado isso, uma verdadeira adrenalina de acontecimentos em uma trama deliciosa de se assistir.

    Ótima crítica.

  10. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Nos EUA, Kleber, Amigas y Rivales também substituiu Abrázame Muy Fuerte justamente no horário das 8 da noite, também sendo uma novela adolescente substituindo uma adulta.

  11. Lucas

    Foi um caso de sorte e de critério falho (como sempre) do Sbt essa novela vir parar aqui. Ela não tinha cara da emissora, mas ainda assim teve uma certa audiência, fãs cativos e deu o que falar.
    Achei uma novela mexicana pra ninguém botar defeito! Por mais que houvessem os elementos de uma trama juvenil, foi a trama adulta e vilã absurda e maravilhosa que despertaram o interesse de todos.
    Acho lamentável que a Joana Benedeck nunca mais tenha brilhado como vilã!
    Só não gostei daquela fase que a novela basicamente não saía do Hospital do Bosque, hahaha!
    No mais, uma grande novela, totalmente recomendável e que marcou uma época dentre os fãs de novelas “do SBT”.

  12. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    hahahaha O Hospital do Bosque, a certa altura, estava um dos principais cenários, você tem razão, Lucas!
    Também lamento muito que a Joana Benedek não tenha tido melhores oportunidades. Acontece que em De Pocas, Pocas Pulgas ela foi a protagonista adulta numa novela apagada e sem repercussão alguma. Minto: ela nem sequer era a protagonista adulta, era o Ignacio Lopez Tarso. Depois disso, suas melhores participações foram em Destilando Amor e Hasta que el Dinero nos Separe, mas nada com o mesmo brilho de Roxana em Amigas y Rivales.

  13. Matheus

    Thiago, você sabe algum site onde têm
    a audiência das novelas na sua exibição pelo México?

  14. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Essas informações circulam em fóruns internacionais… Mas tem que tomar cuidado com as fontes, que elas sejam confiáveis.

  15. Kleber

    Eu até hoje lembro das maldades da Rosana, dos surtos da Helena, dos cenários bonitos, enfim…

    Inegavelmente, foi uma novela marcante.

  16. Notus

    Realmente foi uma pena uma diva como a Michelle Vieth ter saído das gravações na reta final, mas o que a análise não falou foi que um dos supostos motivos de sua saída pode ter sido uma briga com o elenco.

  17. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    No Youtube acho que você consegue encontrar os capítulos, Joyce!

  18. MARCELLA

    Mto boa essa novela..
    Acabei de assisti-la inteira novamente.
    Tem uns dois meses que venho assistindo ela pelo youtube no meu celular..
    A primeira vez que ela passou aqui no Brasil eu tbm assisti….

  19. Matheus

    Esqueceu de dizer que as músicas de fundo dessa novela também foram utilizadas nas novelas: Velo de Novia e Las vias del Amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *