[2011] La Que No Podía Amar

Releitura de um grande sucesso dos anos 90, La Que No Podía Amar foi um acerto na exaustiva onda de remakes: foi um novo olhar sobre uma mesma obra, sem desrespeitar ou desmerecer a trama original. Um sucesso das 19h.

A trama, original Delia Fiallo, conta a história da enfermeira Ana Paula (Ana Brenda Contreras), uma bela jovem cheia de necessidades em casa com a tia interesseira Rosaura (Ana Bertha Espín) e o irmão Miguel (Osvaldo Benavides), que só arranja problemas. Ana Paula conhece o advogado Bruno (Julián Gil), que a leva para cuidar do dono de uma grande fazenda: Rogelio Montero (Jorge Salinas), que vive em uma cadeira de rodas. Seu caráter agressivo assusta Ana Paula e ela pensa em renunciar ao trabalho, mesmo precisando do salário. Ao conhecer o engenheiro Gustavo (José Ron), Ana Paula apaixona por ele, e desata um novo conflito, já que Rogelio também se apaixona por ela. Por meio de chantagens, Rogelio se casa com Ana Paula, ao mesmo tempo em que Gustavo, decidido a esquecê-la, se envolve justamente com Cinthia (Susana González), a sensual irmã de Rogelio.

SITE004A história é baseada na radionovela de Delia Fiallo La Mujer Que No Podía Amar. Em 1986 foi levada para a TV com o nome de Monte Calvario, trazendo Edith González, Arturo Peniche e José Alonso nos papéis centrais. Foi bem. Mas o grande sucesso veio dez anos depois, com a truculenta Te Sigo Amando, com Claudia Ramirez, Luis José Santander e Sergio Goyri.

La Que No Podía Amar foi uma bem-sucedida produção de José Alberto Castro que, com a precisa adaptação de Ximena Suárez, foi a que mais alterou o original, e ainda assim, ofereceu ao público uma atração de qualidade. O charme aqui estava que de uma novela forte e com certa dose de violência virou uma trama romântica e ainda assim interessante – na época a crítica não perdoou por exemplo, em Te Sigo Amando, o assassinato de um padre, e que uma arma fosse apontada para uma criança.

Nesta nova versão, a maior parte dessa truculência ficou adormecida por um bom tempo. As coisas também se dão de forma diferente da trama original. Por exemplo, Rogelio já começa a novela inválido, por um acidente, o que fez com que se afastasse de sua noiva Vanessa (Mar Contreras), que o abandona. Ou seja, Ana Paula e seu irmão nada tinham a ver com a invalidez do mesmo. Rogelio passa a se fixar por Ana Paula ao notá-la semelhante com Vanessa. Esse parecido se justificaria mais adiante ao descobrir-se que Ana Paula e Vanessa eram irmãs, ambas filhas de Federico (Humberto Elizondo), que no passado vivera um romance com a mãe de Ana Paula.

E só depois é que Ana Paula conhece Gustavo, que desta vez é engenheiro, e não médico. Em Te Sigo Amando, houve uma torcida para que o vilão conquistasse a mocinha (sim, isso mesmo). Mas era um assassino cruel e irremediável, o que seria impossível. Aqui, Rogelio era um tipo difícil e agressivo, manipulador e autoritário, mas não era assassino. E antes mesmo que Ana Paula e Gustavo se conhecessem, Rogelio e sua amada já tinham até uma canção tema! Ou seja, Ximena Suárez sabia que novamente tinha um bom romance em mãos e decidiu explorá-lo.

SITE009La Que No Podía Amar, mais que um adaptação, pode ser chamada de uma “versão livre” de Te Sigo Amando. Algumas coisas até soavam curiosas. Osvaldo Benavides, por exemplo, fez parte do elenco das duas novelas. Em Te Sigo Amando, ele era Lázaro, o doente mental que era defendido pela protagonista e que vivia com uma louca no povoado que resultava a mãe do vilão. Em La Que No Podía Amar, Osvaldo era o irmão da protagonista, e este personagem – Lázaro – agora se chamava Margarito (Bernardo Flores) agora era uma criança órfã que vivia pela fazenda, não era doente mental, e resultava filho de Rogelio. A mãe que era louca nessa versão não existia. A babá de Rogelio e Cinthia, sim, era mãe, mas apenas de Cinthia. Mudanças fortes, mas que deram um atrativo de novidade. Outros núcleos novos e personagens foram criados.

O roteiro consistente, a direção impecável, a produção caprichada e o empenho do elenco garantiram que a novela figurasse com uma excelente audiência no complicado ano de 2011. Mesmo que com um ritmo mais lento, a novela conquistou o público. La Que No Podía Amar foi um sucesso porque explorou todas as possibilidades do triângulo amoroso central, onde, pela primeira vez, ambos tinham chances reais. Ana Paula via Rogelio como um vilão, mas o público já havia sido conquistado pelo personagem, passando a rejeitar Gustavo.

Ao final, a maior maldade de Rogelio na novela era enganar Vanessa pedindo-a em casamento para abandoná-la no altar, e assim, vingar-se de seu abandono no passado. A essa altura, já era impossível que o público quisesse outro final senão ele com Ana Paula. E ainda assim, Ximena Suárez habilmente colocou conflitos pertinentes, como a gravidez de Ana Paula, que esperava um filho de Gustavo ao mesmo tempo em que estava dividida entre seus dois amores. A essa altura, na ausência de uma figura antagonista forte, Cinthia assume esse papel.

SITE002De irmã fogosa pelo aprisionamento em que vivia (onde o público até poderia gostar dela, já que vivia oprimida pelo irmão), ela se apaixona obsessivamente por Gustavo na esperança de sair da fazenda e se libertar de Rogelio. Aos poucos, ela vai ficando uma louca assassina, capaz de ameaçar seu próprio filho, e até mesmo, sua própria vida. E, independentemente de ter sido evidente que era necessária uma vilã forte para poder sustentar os conflitos na novela e assim fazer a trama chegar a mais de 160 capítulos, foi um acerto transformar Cinthia numa vilã de peso da trama. A personagem era muito boa e tinha que ser bem aproveitada. E o roteiro da novela precisava de maldades mais fortes. A loucura é desatada a partir do momento em que ela descobre que a babá Maria (Ana Martin) é sua verdadeira mãe, e passa a se aproveitar disso para seguir manipulando Gustavo e os demais.

Outra personagem de peso na trama era Tia Rosaura. Ambiciosa, muito interesseira e inconsequente, várias vezes estava na linha entre vender a sobrinha e preservar os bons costumes. Uma hipócrita, foi uma personagem rica dentro da novela. Já alguns personagens que não renderam o esperado foram Miguel e Dani (Ingrid Martz), a melhor amiga de Ana Paula, que vivia um romance com o irmão dela. Outro que também carecia de maior ênfase era Bruno. Vendido nos promocionais como um dos protagonistas, o personagem jamais chegou a ser um, e ficou naquele misto entre vilão, bandido, sem que nunca ficassem tão claras suas reais intenções.

SITE001O cenário da “Fazenda del Fuerte”, a propriedade de Rogelio, era quase um personagem à parte da novela. Cenário constante da novela, 70% das cenas da novela aconteciam lá dentro. Provavelmente intencional, esse detalhe ajudava a criar a sensação de privação de liberdade que os personagens viviam por conta de Rogelio. Até mesmo Rosaura, Miguel e Dani foram viver por lá a certa altura da trama. E talvez esta tenha sido uma das razões de que alguns personagens foram minguando no decorrer da trama. Era o caso por exemplo, do triângulo amoroso formado entre Mercedes (Anaís), a irmã de Gustavo e seus dois pretendentes, Esteban (Marco Méndez) e Ernesto (Alejandro Ávila). Ou ainda as tramas envolvendo Macaria (Paty Díaz), que era casada com o pacífico Ulises (German Gutierrez), mas de caso com Efraín (Fabián Robles), o capataz de Rogelio, apaixonado por Cinthia. Curioso, em seu trabalho anterior – Teresa – a adaptadora Ximena Suárez abriu inúmeras tramas de grande peso, e aqui, praticamente focou apenas os protagonistas, deixando o resto do elenco um tanto esquecido por boa parte da trama.

A novela enfrentou alguns problemas nos bastidores que, por pouco, não afetaram seu andamento. O primeiro foi a saída de Jorge Aravena do elenco. O galã venezuelano fazia o papel de Ernesto, um homem manipulador que disputava poder com Rogelio. Mas o personagem não rendeu o esperado. Diante do fato, correram rumores que ele havia brigado com o produtor e havia sido demitido. Ele mesmo esclareceu que havia pedido demissão por estar desanimado com o papel. Imediatamente, ele foi parar no elenco da novela Una Familia con Suerte.

SITE003O outro, bem mais grave, foi a pneumonia que tirou Jorge Salinas de vários capítulos da novela. Não foi uma doença passageira, e alguns rumores foram ficando fortes. Primeiro, que outro ator entraria no lugar de Jorge Salinas. Eduardo Yañez e Fernando Colunga foram nomes especulados, mas jamais cogitados pelo produtor. Depois, pensou-se na morte do personagem. Mas depois de uma recuperação longa, Jorge se incorporou de volta na trama. No enredo, o personagem havia ido tratar de sua paralisia. Aqui mais uma vez, a personagem Cinthia foi decisiva para manter o público na novela mesmo com esse percalço.

Com a volta do personagem, a novela cresceu e foi num ritmo vertiginoso até o final. Foi quando se viu um movimento forte nas mídias sociais, divididos entre os que preferiam Ana Paula com Gustavo e os que preferiam com Rogelio no final. Já era óbvio que o desfecho seria com Rogelio. O que surpreendeu foi o final de Gustavo, que morreu assassinado por Bruno para defender Ana Paula. Um final de muita repercussão, sem sombra de dúvidas.

SITE005José Alberto Castro foi muito feliz na escolha de seu casting. Jorge Salinas foi o grande nome do elenco e teve uma performance visceral como Rogelio. Tornou seu vilão tão humano, mas tão humano, que era impossível não gostar dele – a ponto de virar o “mocinho” da trama. Há tempos o ator não tinha um personagem tão bom e foi a grande interpretação masculina do ano. Jorge Salinas fez tanto sucesso que o ator voltou a ter a mesma importância que no final dos anos 90, quando estourou em Tres Mujeres. Se lá ele explodiu como um galã promissor, Rogelio o trouxe de volta para o primeiro time.

Ana Brenda Contreras consolidou-se finalmente como uma protagonista. Após uma experiência malsucedida em 2008 em Juro Que Te Amo, ela atuou em duas novelas. Sua interpretação como mocinha em Teresa – com o próprio José Alberto Castro – serviu como voto de confiança para ela ganhar uma nova oportunidade. Ela não decepcionou. Fez uma protagonista que era forte e doce ao mesmo tempo e abriu caminho para se firmar de vez como protagonista.

SITE006O mesmo não se pode dizer de José Ron. Ator correto, não teve química com Ana Brenda Contreras. O curioso é que eles já haviam sido par romântico de Juro Que Te Amo, novela que não foi marcada pelo sucesso e voltaram a insistir nos dois como um casal. Deu no que deu. O personagem não perdeu importância, mas foi totalmente apagado pela presença de Rogelio.

Susana González novamente brilhou como vilã. A atriz havia se destacado no ano anterior em Para Volver a Amar no papel de mulher sexy e aqui voltava com tudo nesse rol. A atriz brilhou, seja pela naturalidade com que imprimiu ao papel mesmo quando ele foi mudando de perfil, sem cair no exagero. Um grande destaque como há muito tempo a atriz não tinha.

Ana Bertha Espín mostrou mais uma vez sua versatilidade e capacidade de se adequar em qualquer papel. Rosaura foi, com certeza, um de seus melhores personagens. Com uma certa dose de graça e humor, a atriz fez de um papel sério algo leve e que foi um dos destaques da trama.

A incrível semelhança encontrada pela equipe de maquiagem e cabelo entre Ana Brenda Contreras e o visual de Mar Contreras garantiu a essa atriz seu papel mais importante em novelas. A atriz saiu-se bem. Quem estiveram corretos, mas sem brilhar, foram Osvaldo Benavides e Ingrid Martz (esta última, vinha de uma protagonista, e voltava ao velho papel de “melhor amiga da protagonista).

SITE007Ana Martin é sempre destaque (e aqui não foi das atrizes que ficaram esquecidas pelo roteiro), mas já estava repetitiva nos papéis de empregada sofrida e dramática. Ignacio Lopez Tarso não brilhou o esperado, haja vista que o personagem foi pequeno. E Humberto Elizondo após um longo tempo de vilões, teve um bom papel de homem justo e bom.

Destaque para a abertura da novela, que chamou bastante a atenção. Eram fotos que faziam pequenos movimentos. Apesar que “Te Dejaré de Amar” era o tema principal, cantado por Reyli, a canção que marcou a novela foi “Corre!” na voz da dupla Jesse y Joy, canção-tema de Ana Paula e Rogelio.

Esse trabalho confirmou o sucesso da parceria estabelecida entre José Alberto Castro e Ximena Suárez. La Que No Podía Amar é a prova de que era possível fazer um remake e ser de fato, uma “nova” versão de uma história.

Confira um vídeo com o elenco da novela! Inscreva-se no canal do YouTube!

20 comentários sobre “[2011] La Que No Podía Amar

  1. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Parece que agora a Televisa retirou do Youtube… Mas até semana passada, tinha completa pra assistir online. Eu recomendo muito!

  2. Nanda

    Então e uma das novelas q eu ainda vou ver, me interessei pela história

  3. Kleber

    Sem sombra de dúvidas, umas das novelas que mais me deixou curioso ao ver.

    Gosto do elenco, produção e da história.

    Sigo te amando aparece no meu top de novelas prediletas e creio que essa também fará parte.

    Eu tenho a impressão de que essa trama é tudo o que faltou em STA , o romance!

  4. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Kleber… Demorei 30 segundos pra entender que STA era Sigo Te Amando hehehe…
    Então, se você curtiu Sigo Te Amando, COM CERTEZA, irá curtir. Aqui você terá uma nova leitura de uma mesma obra sem sair ofendido, como assistir Corazón Salvaje 1993 X 2009, ou El Privilegio de Amar X Triunfo del Amor…

    La Que No Podía Amar ao meu ver só peca numa ceeeerta lentidão… Não que a novela seja ruim, mas é como se demorasse pra pegar fogo.

  5. Kleber

    Ah é só um mero detalhe. É uma das novelas que tenho mais curiosidade de ver.

    Acho que tem tudo pra agradar o público vespertino. É bem interessante um vilão “regenerado” que o povo torce para ficar com a mocinha.

  6. Gabriel ferreira

    Essa novela é ótima! A produção e bem caprichada, o que mais impressionou foi a abertura, só acho q não deviam ter colocado a Ana Brenda no quarto crédito.
    O curioso é q em STA o público torcia pro vilão ficar com a protagonista acredito q com isso a escritora já sabia q acontecer o mesmo nessa versão.
    Uma pergunta Thiago, Vc Ta assistindo a A Dona no sbt?

  7. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Vou ser sincero Kleber… Tenho medo do Fernando Colunga na nova versão de Pasión y Poder ir pelo mesmo caminho. Começar malvado, e acabar ganhando a torcida pra ficar com a protagonista.

  8. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Então, acho que a questão dos créditos, pesou que os outros atores tinham mais trajetória. Não o José Ron que eu acho fraquíssimo, mas o Jorge Salinas e a Susana González sim.
    Sobre A Dona, não tô assistindo pq já vi! Mas recomendo! Sempre sou a favor de exibirem novelas inéditas no SBT!

  9. Diogo

    minha crítica a essa novela…precisam mesmo fazer uma terceira versao da mesma trama…tendo um acervo tão grande?…isto posto…digo que essa versão é mto boa…

    é a única versão q eu vi até hoje que muda totalmente a trama..e nao fica nem pior nem melhor que a original…e sim diferente

    nessa novela finalmente ana brenda convenceu como protagonista…após uma precipitação enorme da Mapat de colocá-la à frente de Juro que te amo…

    em compensação..jose alberto castro insistiu num casal que não tinha sido nem ruim…e sim imemorável…ana brenda e jose ron

    porém…quem mto se destacou foi jorge salinas…esteve ótimo…e ainda sofreu uma gradual regeneração…foi algo bastante convincente…pq mesmo quando ja estava estabelecido q era um triangulo amoroso…o personagem dele ainda cometia pequenas maldades…q soaram naturais pra quem era um déspota q estava tentando mudar

    ana martin…papel de sempre…mas bem…
    susana gonzalez…outro grande destaque…incrivelmente bela e intensa…não sou desses que implicam com ela de protagonista…acho q ela faz mto bem as mocinhas…mas conseguiu brilhar como vilã tbm…

    ingrid martz e jorge aravena…q tinham sido casal protagonista em zacatillo tiveram ingratas participações aqui…ele ainda salvou por ser “participação especial”…mas ela nao passou de ser a melhor amiga…

    é…ao meu ver…uma das boas tramas da televisa nessa década

  10. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Também me pergunto isso, Matheus. Tava feliz da vida indicando lá pro pessoal assistir La Que No Podia Amar, mas tiraram do ar! hehehe

  11. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Chega a ser uma ironia trágica os dois protagonistas de Zacatillo figurarem nesse elenco com personagens tão fracos! Jorge Aravena não é dos que fica quieto se acha que tá incomodado… Além de La Que no Podia Amar, ele também pediu pra sair de Porque el Amor Manda! Mas isso será tema de uma outra coluna em breve! heheh

  12. Kleber

    Poderiam dar um protagonico pro Jorge Aravena. Afinal, todo mundo tá ganhando mocinhos ou mocinhas na televisa.

  13. Lucas

    Das novelas que não vi, uma das minhas favoritas! A abertura já emociona, o elenco é acertado, amo Susana e adoro o Jorge e, pelo visto, Ana Brenda se destacou sem precisar dos exageros de Corazon Indomable. Isso de vilão que se regenera é uma das coisas que me agrada.
    Não sabia que no elenco coadjuvante tinha tido tantos não-destaques hehehe. Pena! Num mundo no qual Renatas Notnis ganham papéis de protagonistas, me parece absurdo Indrig Martz e Jorge Aravena em papéis tão pequenos. Isso que o Jorge tinha protagonizado várias novelas antes de ir pra Televisa.
    E falando em Televisa, achei um senhor amadorismo tirarem as novelas do canal. Estamos em 2015. Melhore, Televisa! Só melhore.

  14. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Sim, mas é como citei, Lucas…Se em Teresa, houve um exagero de espaço pros coadjuvantes (fator que eu atribuo inclusive às dificuldades de audiência que a novela enfrentou no começo), em La Que No Podía Amar, a Ximena Suárez foi radical ao inverso!

  15. Tamires Mara

    Fiquei muito curiosa para ver essa novela após sua digamos “resenha”. Sigo te amanda marcou minha pré adolescência e a chamada tardes de amor do Sbt, eu fui uma das que engrossou o coro de do vilão ficar com a mocinha, toda novela que o Sergio Goyri faz eu gosto e acho ele extremamente carismático. Achei patético o final de Sigo te amando e fiquei sem assistir novelas mexicanas por alguns meses. Então fiquei muito curiosa em acompanhar essa novela.

  16. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Então… La Que No Podia Amar veio pra corrigir essa torcida pelo vilão que acompanhava a novela desde Te Sigo Amando.

  17. Matheus

    O legal das novelas do José Alberto Castro é que ele sempre traz casais com muita química,nenhum fica de fora,principalmente Paula e Rogelio.a história deles é muito bonita,uma linda história de superação,tentei assistir Sigo Te Amando,mas não consegui o excesso de violência me incomodou muito prefiro mais LQNPA,tem uma pegada mais leve e mais romântica.

  18. Ely

    Entrando na conversa… Estou vendo a novela A dona (sei que foi citada em outra resenha) e estou adorando, mas prefiro ver com áudio original, porque, embora os dubladores tentem, não transmitem a mesma emoção imprimida pelos atores nas cenas.
    Estou acompanhando o que é raramente postado de pasión y poder e não sei se o Colunga será o vilão odiado, depois de sua interpretação nessa novela e com tantos galãs no currículo. Um exemplo foi Jesus Garcia em “Porque el amor manda” (poderia fazer uma resenha sobre ela)… Adorei!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *