[2007] Al Diablo con los Guapos

Divertida comédia romântica com inúmeros ingredientes pra cativar a família no horário das tardes. Al Diablo con los Guapos foi um sucesso que fez algo improvável: ressuscitou a barra vespertina após inúmeros fracassos.

Na trama, Milagros (Allisson Lozz) é uma garota rebelde, extrovertida e sonhadora que vive num convento e se veste como garoto, pois adora jogar futebol. Ela conhece o playboy Alejandro Belmonte (Eugenio Siller) e logo se apaixona por ele, ainda que ele só a veja como diversão. Ela não imagina que seu destino está ligado diretamente à família dele. O padre do convento consegue que ela vá trabalhar de empregada na mansão Belmonte, cuidando pessoalmente de Regina (Alicia Rodriguez). A senhora há anos procura seu neto desaparecido. Constâncio (César Évora), seu filho, vive um casamento infeliz com Luciana (Laura Flores) e os dois são pais de Alejandro e Valeria (Altair Jarabo). Com seu jeito especial, Milagros – a Mili – conquista o amor sincero de Alejandro e o ódio de Luciana. Agora, o que ninguém imagina, é que Mili é a verdadeira filha de Constâncio.

DIABLO01Em 2006, Angelli Nesma Medina produziu para o horário das 19h a novela Amar Sin Límites. Uma trama experimental que inúmeras polêmicas que teve uma audiência catastrófica e se reinventou inteira enquanto estava no ar. Nem assim subiu. No ano seguinte, o horário da tarde, 16h, que já vinha de fracasso em fracasso, Angelli Nesma foi enviada para produzir uma nova história. Ela então tomou como base um grande sucesso argentino do final dos anos 90, Muñeca Brava. Para se ter ideia do êxito da trama original, na época, sua protagonista Natalia Oreiro, chegou a ser apontada pela imprensa como uma ameaça a Thalía no rol de “cinderela”, já que Muñeca Brava, original de Enrique Torres, trazia inúmeros elementos já provados na “Trilogia das Marias”: protagonista pobretona, mal-educada, segredos familiares, origem rica da mocinha, galã cafajeste, etc.

Ao invés de criar tramas modernas, Angelli Nesma Medina aproveitou o horário da tarde para retomar uma linha de novela bem rosa, com a protagonista que se torna empregada da casa dos milionários, e se apaixona pelo filho dos patrões. Resultado: Al Diablo con los Guapos foi um sucesso. Logo nos primeiros capítulos, a audiência já chamou a atenção com notável ascensão nos índices. Facilmente se converteu na trama de maior sucesso daquele período, já que o horário nobre era ocupado pela comédia falida Yo Amo a Juan Querendón e a retumbante produção de época Pasión. O mais curioso era que Al Diablo con los Guapos suplantou a preferência dessas novelas apostando no arroz com feijão.

DIABLO08Com uma produção bem simples e enxuta, Angelli Nesma Medina fez dessa novela um êxito. A novela era a cara do autor Enrique Torres: A mansão da família rica que abriga inúmeros personagens e onde várias confusões acontecem. As canalhices do galã que demora a perceber que está apaixonado pela mocinha, bastante geniosa e inquieta. Outro êxito dele, Perla Negra (1994), tinha várias anedotas parecidas, até mesmo as frases que se repetiam (como a forma que Alejandro a beijava da primeira vez), bordões, etc. Essa era a maior graça de Al Diablo con los Guapos: ela era, de fato, uma novela para toda a família. Falava com o público infantil, juvenil e adulto com leveza, humor e romance na medida certa. Não era uma novela de comédia, mas as situações eram engraçadas e divertidas, sem forçar a barra. Havia drama, na medida certa. E a história de amor conquistou desde o primeiro capítulo.

A base da história é o romance de Mili e Alejandro, com inúmeros mal-entendidos, idas e vindas, e intromissão de terceiros que a todo tempo aparecem para complicar a trama. Desde Hugo (Andres Zuno), o primo de Alejandro que finge estar inválido e fica obcecado por Mili, até Andrea (Tanya Vazquez), a amante de Constancio que quer se casar justamente com o filho destes. E outros vão surgindo ao longo da história: Pilar (Michelle Vieth), ex-namorada de Alejandro; Matteo (Aitor Iturrioz), professor de Mili e que se revela um mau caráter; e por fim, Florencia (Ariadne Díaz), que se apaixona por Alejandro e se casa com ele.

DIABLO04Aqui, um dos grandes clichês das telenovelas: protagonistas que são supostamente irmãos, foi usado a exaustão. Não demora muito tempo para Constancio descobrir que Mili é sua filha, e posteriormente, Luciana descobre também e usa isso para afastar Mili e Alejandro. Só que…Alejandro não era filho de Constancio – até mesmo Constancio sempre soube disso. E por fim, a própria Mili sabe disso, só que já é tarde: Alejandro se casa com Florencia. Um dos conflitos mais fortes da novela era justamente que Constancio se recusa a assumir Mili como filha – mesmo quando já todo mundo está a par da revelação. É como uma verdade velada, que só na reta final vem a tona.

Outras tramas também têm relevância na novela: Valeria, a filha legítima de Constancio e Luciano, uma patricinha desocupada, que se apaixona por Rocky (Ricardo Margaleff), o mordomo da casa que é o tempo todo chamado de “Morgan”, uma referência ao ator Morgan Freeman no filme “Conduzindo Miss Daisy”, de 1989, em que vivia um motorista. Rocky é muito engraçado e vive sonhando com Valeria, e sempre que pode, atrapalha as investidas de outros pretendentes de Valeria.

Os moradores da casa também ganham destaque, e todos acabam se envolvendo com os empregados. Damián (Marco Muñoz), pai de Hugo e irmão de Luciana, vive na casa de favor e é totalmente picareta. Ambicioso, trapaceiro e interesseiro, Damian ilude Karla (Margarita Magaña), uma das empregadas, com mania de grandeza e que odeia ser pobre, para dor de cabeça de Socorro (Letícia Perdigón), a cozinheira da casa. Braulio (Miguel Pizarro) é o mordomo, fiel a D. Regina, e o verdadeiro tio de Milagros. Sente mágoa de Constancio pois ele abandonou sua irmã quando esta ficou grávida para se casar com Luciana. Ele e Regina ainda mantém a esperança de que Rosário (Mónika Sanchez) esteja viva. Quando Regina conhece Mili, acaba se afeiçoando a ela sem imaginar ser ela sua verdadeira neta. A senhora só descobre que Mili é sua neta quando morre, o que faz a história dar um salto no tempo.

DIABLO02Quando a novela estava já rumo a reta final, o sucesso da trama fez com que ela fosse esticada… com um argumento absurdo! A Madre Superiora (Dacia González), que por anos cuidou de Mili e viu Rosário morrer, revela que Rosário está viva. Rosário fora enganada pelo pai de Constancio, e acreditando que sua filha nasceu morta, foi embora do país. Nesse exato momento, ela retorna a trama decidida a se vingar dos Belmonte, agora com o nome de Rossela di Yano. E o mais absurdo: Mónika Sanchez, que fazia a personagem em flashbacks e em fotografias, foi substituída por Maribel Guardia. Puro esticamento! Por sorte, ainda haviam algumas pendências importantes na história a serem resolvidas, e a audiência não caiu. E verdade seja dita: Maribel Guardia parecia realmente a mãe de Allisson Lozz. As duas já haviam sido mãe e filha na infantil Misión SOS (2004).

Algumas coisas foram contrastantes na novela: em meio a vários personagens legais, Hugo era um personagem que não funcionava. Em nenhum momento ele convencia como um rival de Alejandro. Hugo era chato demais! Andrea, por sua vez, era uma boa vilã, mas rapidamente ficou sem chances de ser uma vilã respeitada na novela. Foi desmascada rápido demais. Por outro lado, Constancio foi um grande personagem. Era cínico, engraçado, e cumpria a função de ser um vilão na trama, além de travar uma batalha para se firmar numa carreira política de sucesso num partido chamado PUN (?!) – Partido Único Nacional. Luciana, mergulhada em seu alcoolismo, também funcionava como uma boa antagonista. E Florencia, que surgia como um novo amor para Alejandro de uma forma até bonitinha, era transformada numa obsessiva que ainda por cima, abandona sua filha para ir embora com o ex-marido. Nisso, de todos os personagens, Mili era de fato a alma da novela. Era uma ótima protagonista, envolvida com todos, engraçada, esperta, com a dose de ingenuidade exata para não cair no conceito do público. E o romance com Alejandro foi um dos pontos altos da trama. E o público estava tão envolvido que comprava até mesmo situações improváveis, como o núcleo do salão de baile onde Milagros ia vestida como “mulher”, e Alejandro, que a chamava de “Carlitos” pela forma como ela se vestia, nunca a reconhecia.

DIABLO05A propósito, o salão de baile, onde inúmeros grupos de ritmo grupeiro se apresentavam, teve um grande destaque na novela, sendo bastante explorado. Além do tema de abertura, um dueto entre Allisson Lozz e o grupo K-Paz de la Sierra, que pode ser considerado estranho aqui, mas estava no auge em 2007, outros temas apareceram ao longo dos capítulos. Em dezembro de 2007, em meio a grande sucesso, o vocalista da banda K-Paz de la Sierra, Sergio Gomez, foi encontrado morto brutalmente.

Uma polêmica nos bastidores da novela deu o que falar. O ator Derrick James, que fazia uma participação como Ramsés (um dos pretendentes de Valeria), foi desligado da novela e demitido da emissora. Segundo a produtora, havia uma locação marcada, uma cena complexa de festa com muitos figurantes e atores envolvidos, e o ator pediu autorização para atender um compromisso, autorização que foi negada. O ator simplesmente abandonou a cena e deixou todos na mão. Meses depois, porém, Derrick James declarou ter sofrido assédio de um dos produtores associados. A situação nunca se esclareceu.

Cabe destacar que apesar da trama ser de Enrique Torres, a adaptação foi feita por Juan Carlos Alcalá. Ele já havia trabalhado com Angelli Nesma em Apuesta por un Amor (2004), mas não era o adaptador principal. A partir de Al Diablo con los Guapos, virou o novo adaptador “oficial” da produtora, emendando um trabalho após o outro. Curiosamente, nessa mesma época, o próprio Enrique Torres foi contratado pela Televisa para escrever uma novela original, Las Tontas no Van al Cielo (2008). Em ocasião disso, chegou a se fazer um crossover entre as duas tramas. Mili levou Luciana na clínica de Candy (Jacqueline Bracamontes), a protagonista de Las Tontas no Van al Cielo. Curiosamente, estre trabalho – que era inédito – foi um fracasso, enquanto um remake de seu texto triunfava às 16h.

DIABLO06Al Diablo con los Guapos fez tanto sucesso que seu último capítulo teve 1h30 de duração. Um fato inédito até então, já que na época, isso só era visto nas novelas noturnas. O final teve muita repercussão. Logo após o casamento, o capítulo faz inúmeras passagens de tempo, mostrando o destino dos personagens. E ao longo dos anos, o público vai acompanhando as mortes de Luciana, de Socorro, de Constancio, e por fim, de Mili e Alejandro, que morrem velhinhos um ao lado do outro na mesma praia onde consumaram seu amor pela primeira vez. De certa forma, foi um final “triste” para uma novela alegre, e que deu o que falar. Além de dividir opiniões, o final foi considerado uma cópia do último capítulo da novela Juana la Virgen (2002), em que a última cena é exatamente igual à de Al Diablo con los Guapos.

A escalação bem acertada foi um dos motivos do sucesso da trama. O elenco alternava figuras frescas com atores de trajetória e deu uma chance como protagonistas a dois atores. Allisson Lozz já havia sido estrela de uma novela infantil, feito Rebelde (2005), mas foi por meio de casting que foi eleita protagonista. O fato causou estranheza já que ela não era propriamente bonita nem vinha de um trabalho destacado. Mas Allisson Lozz foi uma grata revelação. É bem verdade que não era uma grande atriz. Era exagerada e histriônica, mas tinha o carisma necessário para defender uma personagem como Mili. Uma interpretação, embora não perfeita, com o brilho que uma protagonista dessa natureza precisa.

Na mesma situação de casting, surgiu Eugenio Siller como galã. A verdade é que aqui a beleza clássica do ator, loiro e sarado, tinha tudo a ver com o personagem playboy. Novamente, assim como Allisson, não era o mais talentoso do mundo, mas ambos eram muito esforçados e projetavam a química necessária para serem um casal encantador em frente às telas. Juntos, gravaram a canção “Cuando te Veo”, que foi tema romântico dos dois.

DIABLO09O elenco de jovens também produziu boas revelações. Altair Jarabo como Valeria, que já havia feito alguns trabalhos relevantes, pôde finalmente ser conhecida numa novela de sucesso e esbanjou graça. Assim como Ricardo Margaleff, uma revelação como comediante, e que a partir daí, só fez trabalhos em novelas de comédia, ou em personagens cômicos. Ariadne Díaz, que vinha do fracasso de seu debut como protagonista em Muchachitas como Tu (2007), atuou novamente ao lado de Fabián Robles, e aqui saiu-se bem como Florencia. Margarita Magaña, a mais experiente, novamente saiu-se bem como uma vilazinha.

O nome mais forte do elenco era César Évora, que estava precisando se reciclar após o fracasso de seus gêmeos caricatos de Mundo de Fieras (2006), e como Constancio ele se reinventou. Sua interpretação como Constancio era leve e inspirada, e o ator deitou e rolou com o humor que seu vilão tinha. Assim como em Mundo de Fieras, ele novamente era o algoz de Laura Flores, que se destacou como Luciana. Há tempos a atriz não vivia uma vilã, e aqui saiu-se bem, apesar de alguns tons acima numa cena ou outra. O toque do alcoolismo ora foi usado com humor, ora foi usado como um assunto para se conscientizar. Alicia Rodriguez teve uma participação bonita como Regina, uma senhora boa e humana.

DIABLO10Marco Muñoz teve oportunidade de mesmo sendo novamente um vilão, mostrar algo diferente, com a comicidade de Damian. E Miguel Pizarro teve um bom papel em mãos – novamente como homossexual, mas bem mais discreto. Destaque ainda para Sheyla e Carlos Cobos como Sor Cachete e Padre Manuel, os simpáticos religiosos que eram como anjos da guarda de Mili, e ao contrário de muitas novelas, eles tinham uma participação relevante ao longo da novela.

Andres Zuno, o Hugo, além de ter um personagem chato, tinha uma caracterização horrível, e não era o ator certo para o personagem. Tanto que embora não tenha perdido importância ao longo da trama, seu trabalho não foi tão lembrado como de outros atores.

Al Diablo con los Guapos foi uma novela feliz, vibrante, simpática e que agradou exatamente porque ao invés de dar tiros para todos os lados, deu tiros certeiros naquilo que funcionava.

Confira abaixo um vídeo com o elenco da novela! Inscreva-se no Canal do YouTube!

16 comentários sobre “[2007] Al Diablo con los Guapos

  1. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Não sei o motivo pelo qual o Youtube não tá colocando a miniatura nos vídeos, Daniel, mas é só clicar e assistir!

  2. Lucas

    Meu Deus, Thiago. Acho que a Televisa bloqueou até as miniaturas dos vídeos que fazem das novelas dela, hahaha!
    Sou suspeito pra falar. Eu vi A Diablo con los Guapos duas vezes em DVD, hahaha! Uma graça de novela, um elenco acertadíssimo (tirando o Hugo), músicas cativantes. A Televisa tá precisando de novelas assim de novo, que contam a mesma história, mas de um jeito leve, agradável, que fazem você acreditar nas coisas mais absurdas e ainda querer mais. Apesar do esticamento, Al Diablo nunca perdeu o fôlego. O final, apesar de “triste”, me agradou, pois saiu um pouco daquilo de “felizes para sempre” e foi pro “felizes até a morte”.

  3. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Sim, o final com certeza não passou batido.
    Eu acho que dependendo do horário, esta é a fórmula… As melhores novelas das 16h foram as mais clássicas possíveis: Al Diablo con los Guapos (essa ainda tinha uma pegada de humor com novela juvenil), Cuidado con el Ángel, Un Refugio Para el Amor, Corona de Lágrimas, Corazón Indomable…

  4. Gabriel ferreira

    Foi nessa novela que a Alisson lozz deu seu primeiro beijo na vida ela disse em uma entrevista nunca teve um namorado e nem beijado alguém rsrsrs. Pena que ela nunca mais voltar a atuar

  5. Gisele

    A Allisson Lozz estava começando como protagonista nessa novela, que eu gostei bastante. Mas gosto mais dela na novela En nombre del amor que foi sua ultima novela. Uma pena ela não atuar mais, tinha tudo pra dar certo.

  6. Tita Griebeler

    Nossa citou a Natalia Oreiro, ela segue até hoje nas tramas argentinas né? Tenho alguns cd´s dela lançados no Brasil.

    Eugenio Siller, fica estranho com este loiro platinado, mas adoro ele no que mais conta: a atuação. Como cantor é péssimo, o que é bizarro porque justamente na música começou a carreira, na boy band mexicana “Klishé” junto com seu irmão (acho que também ator da Televisa). Há quem opine que deveria voltar a Televisa, mas Siller anda bem como astro Telemundo.

    Thiago, o blog está muito bom, as vezes fico com dó que nossos comentários não estão a altura do teu texto, sempre explicativo com muita qualidade. É muito raro encontrar quem fale de cultura latina com tamanha riqueza de detalhes, com visual limpo sem recursos piscantes, então, gracias.

  7. Matheus

    Essa novela é bem cara do ”SBT”,história da mocinha pobre e o galã rico,vilões maus etc.Alisson estava bem exagerada no papel , ela melhorou muito em ”En nombre del amor”, e essa nova novela do Carlos Moreno, ótima e não têm o reconhecimento que merece.

  8. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Sim Gisele. Eu particularmente gostei dela nos dois trabalhos, mas acho que em Al Diablo con los Guapos ela se destacou mais, já que En Nombre del Amor foi praticamente da Letícia Calderón. O interessante é que são protagonistas e novelas com perfis totalmente diferentes e serviu pra demonstrar que, caso ela seguisse na carreira, não ficaria estagnada fazendo a Mili pra sempre.

  9. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Eu acho que o Eugenio Siller acabou se tornando mais astro na Telemundo que na Televisa. Na Televisa, ele tava um a mais, principalmente porque em Mi Pecado ele passou meio batido. Eu gostei mais dele em Al Diablo con los Guapos porque ele tava perfeitamente escalado pro papel. Talvez se ele voltasse agora, teria melhores oportunidades. Ao menos é um galã a mais (ao meu ver, vivemos uma crise de galãs, José Ron é fraquíssimo e faz novelas o tempo inteiro…por falta de opções melhores).

    Que bom que você curte o blog, Tita! Espero que continue prestigiando!

  10. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Sim, Allisson seria uma melhor opção que Camila Sodi em A Que No Me Dejas.

    Eu também acho, Matheus, que Al Diablo con los Guapos, tem toda a cara de fazer sucesso nas tardes do SBT. Talvez, a essa altura, a novela já esteja antiga (nem vou citar aqui que o SBT vive de reprises), mas as novelas recentes e inéditas tem sido de uma época que já não pega Al Diablo con los Guapos.

  11. Diogo

    essa novela é tão “de sempre” mas funciona muito bem…engraçado que La Gata (uma das últimas novelas resenhadas aqui) tem a mesma pegada…mas você não consegue acreditar em nada do que é mostrado em cena…

    em “al diablo…” sim…e conste…com uma produção bem mais simples (deu pra ver que a televisa deu uma segurada na grana por conta de tanto fracasso que vivia na época)…

    os protagonistas não são os melhores atores do mundo…mas funcionaram bem e tiveram química que é o que importa no fim das contas…

    a parte da maribel guardia é meio forçada…não só pela troca de atrizes…e sim pq a todo momento era uma verdade muito sacramentada a morte da personagem…não havia nenhum mistério para o público quanto a isso…mas enfim, coisas de novela

  12. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Quero registrar que a Maribel Guardia, mesmo com toda a falta de credibilidade da situação, segurou as pontas muito bem e fez um lindo personagem. Trabalhou muito bem!

  13. Matheus

    Uma boa noticia a Televisa Telenovelas disponibilizou algumas novelas : Corazón Salvaje,La Fuerza del Destino,Rubi,Sortilegio,Salomé,Corazón Indomable,Contra Viento y Marea, La Ursurpadora e La Que No Podia Amar.

  14. Kaique Martins

    o mais engraçado é que nessa novela a protagonista ficou praticamente a novela inteira apanhando da Vilã coisa que era muito raro acontecer nas novelas da Thalia e quando acontecia ela não pensava duas vezes e revidava ja nessa novela foi diferente a Luciana deu bastantes bofetadas na Mili e ela não revidou nenhuma. seria interessante se ela tivesse agredido a Luciana igual a Thalia agredia as vilãs de suas novelas a trama concerteza ia ficar mais emocionante.

  15. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Acho que pesava o fato da Luciana ser a mãe do galã da novela! Não era um rival de amores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *