[2013] Lo Que la Vida me Robó

Uma novela ousada, que reergueu o horário nobre mexicano a base de cenas ardentes e violência. Lo Que la Vida me Robó começou tímida, mas se converteu no hit da temporada.

A trama, original de Caridad Bravo Adams, traz a história de Montserrat (Angelique Boyer), jovem de uma família que está à beira da ruína. Sua mãe, Graciela (Daniela Castro) quer casá-la com um jovem rico, mas Montserrat vive um romance secreto com o humilde militar José Luis (Luis Roberto Guzmán). Graciela em cumplicidade com seu outro filho, Dimitrio (Osvaldo Benavides) tramam uma armadilha para enviar José Luis para a cadeia, fazendo Montserrat acreditar que foi abandonada. É quando surge um candidato: Alejandro Belmonte (SebastiánRulli), que inesperadamente herda uma fortuna de seu patrão, quando se descobre filho deste. Alejandro se apaixona completamente por Montserrat. Assim que a boda se realiza, José Luis escapa da cadeia e explica para a amada o que aconteceu. Mas Alejandro a desmascara, e a obriga a seguir casada com ele. O clima entre os dois é tenso, mais ainda quando ele a leva para viver na fazenda e surge José Luis se fazendo passar pelo novo capataz.LOQUELA01Essa novela seguiu-se ao êxito que a produtora AngelliNesma Medina conseguiu com Abismo de Pasión (2012). Enquanto aquela novela foi muito fiel à trama original, em Lo Que la Vida me Robó, a produtora tomou como base o argumento de Bodas de Odio, que em 2003 (apenas 10 anos antes) foi um fenômeno de audiência chamado Amor Real, sob a produção de Carla Estrada, e com Adela Noriega, Fernando Colunga e Mauricio Islas nos papéis centrais e que conquistou uma legião de fãs ao redor do mundo. Como a novela estava muito, mas muito fresca na cabeça do público, Angelli Nesma arriscou-se numa ideia ousada: enquanto o argumento original era de uma novela de época, Lo Que la Vida me Robó era uma trama contemporânea. Além disso, a novela tinha outra missão, recuperar os índices de audiência desastrosos da atração anterior, La Tempestad.

A estreia foi promissora, mas a audiência foi correspondendo timidamente. A adaptação, de Juan Carlos Alcalá, manteve a estrutura da trama principal adaptada por Maria Zarattini em 1983 e 2003 e extendeu o máximo que pôde nas subtramas. Ou seja, personagem que tinha uma breve participação em Amor Real, ganhou trama, conflitos, e teve sua presença ampliada. Alguns núcleos também foram remodelados. Por exemplo: desta vez, Graciela havia sido amante de Bernardo (Alfredo Adame), o pai de Alejandro. Ou Rosário (Ana Bertha Espín), ao invés de prostituta, sumiu da vida do filho, porque havia sido presa.

LOQUELA02Mas a ousadia não ficou simplesmente no fato de deslocar a trama para atualidade. Montserrat, por exemplo, logo na primeira semana, teve uma ardente cena de amor com José Luis – uma novidade e tanto, não só em relação à trama original, como para novelas mexicanas em geral, onde a protagonista é apenas de um homem a novela inteira. Também deu muito o que falar a trama envolvendo o vilão Pedro Medina (Sergio Sendel). Vivendo um casamento infeliz com Nadia (Alejandra Garcia), a melhor amiga de Montserrat, o casamento nunca é consumado. Enquanto isso, o vilão mantém supostamente um caso sigiloso com seu cúmplice, o comandante Ezequiel (Alexis Ayala). Emobra na novela isso fosse algo apenas insinuado, nas redes sociais, repercutiu bastante.

Mais adiante, outra bomba: o motivo do ódio de Pedro por Alejandro era justificado quando no passado, Alejandro acidentalmente provocara um acidente que terminou com a amputação do órgão genital do vilão! E por incrível que pareça, mesmo forte, o conteúdo não foi rejeitado pela audiência. Outra novidade: Nadia, por sua vez, se apaixonava por Victor (Alejandro Ávila), que chegava a ser forçado por Pedro a cumprir as obrigações sexuais com Nadia em seu lugar.

Mas, apesar de muitas boas ideias, a audiência da novela começou tímida, apenas trazendo os índices para uma normalidade. Algumas coisas estavam dissonantes: não era muito convincente que Montserrat em pleno século XVI fosse manipulada tão facilmente por Graciela e aceitasse um casamento por interesse “para salvar sua família”. A situação tirou credibilidade da novela. Bem como a ausência total de meios de comunicação. Pior ainda, com o casamento entre Alejandro e Montserrat, era estranho entender que ela aceitasse seguir casada, sofrendo humilhações do marido. O fato dele fazer amor com ela à força… foi adaptado como “química sexual” entre os dois. Felizmente, o casal caiu nas graças do público e a novela foi conquistando a audiência. Mas isso só aconteceu de maneira drástica, quando a farsa de José Luis na fazenda é descoberta, e Alejandro abandona Montserrat.

LOQUELA03A partir daí, Lo Que la Vida me Robó começou gradativamente a se descolar da trama original, ganhando contornos próprios. A audiência explodiu. A trama policial ficou forte no desenrolar da novela, já que vários personagens pertenciam ao exército e a polícia. A rivalidade entre Montserrat e Maria (Grettel Valdez), a empregada da fazenda apaixonada por Alejandro, foi muito forte, com inúmeros barracos e bofetadas entre ambas. Com a audiência nas alturas, e com inúmeros bons personagens a explorar, a novela entrou numa fase de esticamento, mais precisamente, na fase onde os vilões conspiram de todas as formas para colocar Alejandro na cadeia. Como na original havia um envolvimento do protagonista com os revolucionários, agora, atualizaram a questão para um suposto envolvimento com traficantes de drogas. Também havia a questão da prima Fabíola (Lisset), uma alcoólatra que aparecia para reivindicar a herança de Alejandro.

A audiência começou a dar uma leve cansada, mesmo com boas tramas coadjuvantes se desenvolvendo. O amor entre Dimitrio (Osvaldo Benavides) e a feiosa Josefina (Veronica Jaspeado), com a variante que enquanto ele se envolvia com a sedutora Tenente Rentería (Jéssica Más), enquanto ela começava a atrair a atenção de Adolfo (Ferdinando Valencia), o melhor amigo de Dimitrio, que de reles comparsa covarde dos vilões, terminava como grande chefão da máfia. Ou ainda o amor entre o soldado Refugio (Carlos de la Mota) e a dançarina Esmeralda (Margarita Magaña).

LOQUELA04A audiência voltou a crescer com a suposta morte de Alejandro. É quando Montserrat se casa com José Luis, manipulada por Graciela. Se por um lado, a novela acertava com vários casais amorosos interessantes, por outro, pesava a mão na violência. Praticamente todo capítulo, algum personagem apontava um revólver pra outro, haviam inúmeros tiroteios, ao ponto de tornar a situação cansativa. Na reta final, já era até uma brincadeira contar o número de mortos da novela! Mas, a verdade é que a essa altura, a novela já era um estrondoso sucesso, e o público aceitou que a novela chegasse a quase 200 capítulos!

A reta final foi marcada pelo suspense sobre qual seria o destino de Montserrat-Alejandro-José Luis, já que a produtora anunciou que alguém morreria. O último capítulo gozou de grande audiência. Nem tanto pelo famoso circo com sequestros e tiroteios – aqui, quase tirando a realidade que a trama pedia, já que Pedro Medina armava uma verdadeira atração pra eliminar os mocinhos -, mas o que atraiu o público foram os momentos finais. Uma bomba explode e não sabemos quem morreu, se José Luís ou Alejandro. Num velório, Montserrat dirige-se a um caixão: confirma-se a morte de José Luis. Na última cena, ela sai da igreja, quando Alejandro (o único vestido de branco) a acompanha. Estaria vivo? Seria o fantasma? Um final de forte repercussão como há tempos não se via.

LOQUELA09Lo Que la Vida me Robó teve um de seus méritos o elenco atrativo e numeroso de astros. Mesmo com a trama principal o tempo todo em evidência, a adaptação foi feliz dando espaço necessário para que vários atores entregassem um bom trabalho. Angelique Boyer e Sebastián Rulli voltaram a repetir o par romântico de Teresa (2010) com igual sucesso. A química entre os dois foi tão forte, que, dessa vez, os dois não tiveram mais remédio que assumir que o romance havia passado das telas para a vida real.

Angelique Boyer viveu sua segunda protagonista no horário nobre e defendeu bem sua Montserrat, pese alguns exageros. A boa forma da atriz, bem como a característica sensual que ela imprime em todos os seus personagens, aqui, foram explorados a máxima potência. Mas o grande destaque foi mesmo Sebastián Rulli. Há tempos que ele merecia ser o protagonista absoluto de uma história no horário nobre, e o ator foi o melhor da novela. Seguro, firme, forte, era impossível não torcer por Alejandro. Tanto que Luis Roberto Guzmán acabou ganhando certa antipatia do público. O ator também saiu-se bem, há tempos não aparecia em uma novela, mas ficou apagado por Sebastián Rulli.

LOQUELA08Os vilões da novela conquistaram o público, mesmo com altos e baixos. Graciela, vivida por Daniela Castro, foi quase que a repetição da Rosário de Mi Pecado (2009). Mesma voz, mesma postura, mas aqui com uma dose de exagero que fizeram a personagem cair na caricatura. Ainda assim, a personagem foi tão bem conduzida, que ela fez valer sua experiência. A química dela com Angelique Boyer também foi dos pontos altos da trama, assim como seu bordão “Te hace falta Jesus”. Sergio Sendel voltou a ser um vilão dos seus costumeiros, e fez sucesso também, levando em conta as polêmicas que rodeavam seu personagem. E Grettel Valdéz finalmente foi um grande destaque numa novela. Sua “Maria, la Zorra” caiu nas graças do público. A vilã aprontou todo tipo de armadilhas, e o visual com uma peruca loira na reta final, rendeu alguns dos melhores momentos dela na trama. Alexis Ayala também saiu-se bem como Ezequiel, o menos vilão entre os vilões.

Outro destaque, já como coadjuvante, foi Osvaldo Benavides como Dimitrio. Em La Que No Podía Amar (2011), que havia sido o regresso dele às telenovelas, havia passado despercebido. Aqui, teve oportunidade para brilhar num personagem difícil. A princípio, um interesseiro, e no decorrer da novela, se transformou num exemplo de honestidade. Ferdinando Valencia também se destacou como Adolfo, ampliando sua participação ao longe da novela. O personagem era idêntico ao que o ator havia feito no mesmo ano em Mentir Para Vivir.  Alejandra Garcia, que já havia se saído bem em Una Família con Suerte, voltou a se destacar como a sofrida Nadia. E, ainda que numa curta participação, Alberto Estrella marcou sua presença como o vilão Juventino, capataz da fazenda, e defendido de maneira peculiar (com direito de citação dos outros personagens ao mau cheiro que o personagem tinha).

LOQUELA06Por incrível que pareça, os primeiros atores da novela tiveram as atuações menos surpreendentes, talvez porque praticamente todos estivessem instalados nos mesmos personagens que já cansamos de ver, sobretudo Ana Bertha Espín, muito repetitiva quando faz mulher sofrida. Curiosamente, ela havia participado de Amor Real no papel agora representado por Gabriela Rivero, outra que só faz de tia gordinha, simpática e fofoqueira.  Eric Del Castillo saiu-se bem em seus bonachões personagens, desta vez, um padre. E Rogelio Guerra teve uma boa presença como pai da protagonista.

O pior mesmo – fora o exagero de Daniela Castro – foi a má atuação de Lisset como Fabíola. Além da atriz estar sem idade para o papel (a certa altura, revela-se que Fabíola era filha de Graciela), a atriz não sabe interpretar uma bêbada sem cair na vil imitação e exagero. Também a fraca de Ilithya Manzanilla como Angélica, a jovem doce e apaixonada por José Luis. Totalmente sem carisma, sem graça, sem talento, sem nada além de beleza. Passou em branco e sem transmitir nenhuma emoção.

LOQUELA07Alguns detalhes da produção de Lo Que la Vida me Robó merecem destaque. O principal deles é que, não sendo uma novela de época, a produtora Angelli Nesma Medina esforçou-se em afinar uma novela com manufatura quase perfeita, esteticamente bem feita, bem iluminada, com cenários bonitos e locações um pouco menos batidas. Ou ainda a trilha sonora, com várias baladas românticas, encabeçadas por um tema pegajoso com Enrique Iglesias e Marco Antonio Solis.

E no saldo final, foi possível entender o sucesso  e a grande repercussão de Lo Que la Vida me Robó. Era uma verdadeira atração das 21h, com grandes amores impossíveis, terríveis vilões, e um esforço contínuo de texto e direção para manter a novela com elementos atrativos a cada semana, sem deixar a bola cair.

Confira abaixo um vídeo exclusivo com o elenco da novela! Inscreva-se no canal do YouTube!

51 comentários sobre “[2013] Lo Que la Vida me Robó

  1. Diogo

    levando em conta que nessa épooca as novelas da televisa estavam já mais longas…lo que la vida me robo teve mais que o dobro de capítulos que amor real…por um tempo souberam até administrar isso bem…mas a reta final realmente já não havia mais nada o que contar além dos tradicionais sequestros…e muito bang bang…a sorte é que os personagens já estavam mais que aceitos pelo público

    o casal principal funciona muito bem…e a novela soube explorar bem…a química entre angelique e luis roberto guzman já não foi tão boa…a impressão que ele me passou é que sempre foi um cara meio canalha…logo de cara dava a impressão que montserrat estava um pouco ingênua de confiar totalmente nele

    daniela castro bem exagerada claro…na verdade, acho que o papel pedia uma atriz um pouco mais velha…

    porém uma coisa é fato, por muito que se critique certos pontos…a trama central é muito forte e segura bem o telespectador…tanto que novamente essa trama funcionou…e numa adaptação bem livre…oq ajuda a não ficar naquilo de “já sei exatamente como irá acontecer”

    a partir da etapa final quando passam os anos, já nada sobrava de bodas de ódio e a novela caminhava totalmente com suas próprias pernas

  2. Diogo

    mais comentários: montserrat estava apaixonada e transou com seu primeiro namorado que não era o galã…uma evolução e tanto…depois, ela achando que seu marido morreu, se casa com o josé luis e tem uma vida sexual normal com ele…afinal, chega dessa ditadura dos homens poderem transar com todo mundo e as mocinhas não!

    ao mesmo tempo, tinha coisas bem à moda antiga…quando alejandro e josé luis se agarram a golpes num “duelo” pela mocinha…

    queria destacar tbm a grettel valdez que já tinha estado bem em amorcito corazon fez algo totalmente diferente aqui, como vilã…achei que ela aproveitou muito bem a oportunidade de mostrar algo diferente

  3. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Sim, a Daniela Castro foi tão negativamente exagerada, mas no fim das contas, são das coisas que mais chamam a atenção!
    Também achei que pra uma novela que já havia feito tanto sucesso em menos de 10 anos, foi uma adaptação feliz! Uma coisa que eu não curti foi o peso exagerado de alguns personagens que ao meu ver não eram bons. E como Amor real tava muito presente, fica difícil não comparar. Por exemplo, Ilithya Manzanilla não teve um pingo da emoção da Kika Edgar, ou Veronica Jaspeado, que atuou bem, mas não tinha o carisma de mariana Levy (e isso que a Josefina da Mariana Levy era muito mais caricata, talvez endossada pela ingenuidade que cabia a uma personagem de época).

    Já outros foram melhores aproveitados. a Ingrid Martz era melhor amiga em Amor Real, e esse personagem só servia pra isso. Ponto. A Alejandra Garcia de fato teve um personagem com vida própria, e ao meu ver, uma das histórias mais interessantes da novela.

  4. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    A Grettel Valdez ficou tão bem como a vilã (numa personagem com perfil completamente diferente ao da chantal andere em Amor Real) que logo chamaram ela pra Lo Imperdonable, como se ela só fizesse bem as vilãs!

  5. Kaique Martins

    essa novela é a prova de que a Televisa precisa apostar em novelas mais realistas, nessa trama não foi igual as outras novelas onde a protagonista só tem relações sexuais com um unico homem pois na maioria das novelas mexicanas a protagonista só transa com o protagonista e quando outro homem toca nela é porque ela foi estuprada. nessa trama ela teve uma vida sexual normal com uma pessoa que não era o protagonista. eu acho que todas as novelas deveriam ser assim pois ja estamos no século 21 e a Televisa ainda tem esses costumes antigos nas novelas delas que mesmo sendo remake deveriam ser modernizadas. outra coisa que aconteçe em certas novelas principalmente nas da Nathalie Lartilleux é que parece que o Celular não existe em Corazon Indomable por exemplo praticamente não existia, e isso deve mudar em algumas novelas. eu assisti só algumas parte dessa novela e não sabia que nessa trama tinha um casal bissexual coisa que é muito raro de se ver em novelas mexicanas ainda mais se tratando de um remake. acho que se a Televisa começasse a investir mais em temas realista como homossexualidade, racismo e preconceito a audiencia do canal de las estrelas seria o dobro do que é hoje. a Televisa temque abordar mais temas realista e parar de esconder homossexualidade e racismo pois é muito dificil ver uma pessoa negra trabalhando em novela mexicana.

  6. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Então Kaique, quanto ao assunto da protagonista ter relações com outro… Acho que foi necessário pra mostrar que: ela realmente estava apaixonada por ele, e que o José Luís seria um pretendente a altura do Alejandro. Algo similar aconteceu também em La Que No Podía Amar. Isso eu acho, que às 21h é bem aceito… Por isso que isso não funcionaria por exemplo, em Corazón Indomable, que além de exibida às 16h, tem uma trama fantasiosa.

    Quanto a temas mais fortes, eu sinto que vai muito de como se trata, veja como Babilônia aqui – com uma cabeça mais aberta – foi rejeitada pela ala conservadora, e a trama acabou se tornando um fracasso. Sobre a falta de atores negros, é porque lá no México, quase não tem negros! Tem muitos índios, isso sim!

  7. Kaique Martins

    Thiago quando eu me referi a Corazon Indomable eu quiz dizer que ela deveria ser um pouquinho mais modernizada, não colocando a maricruz pra ter relações sexuais com o Governador ou Emir Karim e sim para ter o uso do celular pois em pleno 2013 a Maricruz e o Otavio só se comunicavam por telefones o que seria bem mais facil se tivesse um celular. na reta final mesmo pra Maricruz procurar o Otavio ela colocou um anuncio no jornal e ficou uma coisa tipo a moda antiga ela poderia ter usado as redes socias ou outra coisa mais parecida. quanto ao tema da homossexualidade eu acho que em Babilonia a Globo exagerou demais colocando duas personagens lésbicas se beijando justo no primeiro capitulo. na minha opinião quando tem um casal homossexual em uma novela as emissoras devem mostrar o primeiro beijo deles ja na reta final da novela pro publico entender que os homossexuais não são vilões. se a Televisa fizesse uma novela estilo Babilonia que mostrasse o primeiro beijo gay no primeiro capitulo concerteza iria fracassar pois o publico não iria gostar. em Mentir Para Vivir logo no começo mostraram a menina com uma arma na mão e o publico se afastou da trama pois achou muito violenta a cena e a novela que tinha uma excelente historia acabou fracassando. a Globo e a Televisa precisam saber tratar direito esses temas pois quando uma novela se mostra muito violenta logo no começo o publico concerteza se afasta.

  8. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Eu discordo, Kaique, acho que a violência é muito bem aceita… O caso de Mentir Para Vivir tinha uma criança no meio, aí é diferente. Mas veja em Lo Que la Vida me Robó: tiroteio, banho de sangue, teve até um tiro no meio da testa de uma mulher. São os temas “tabus” o que espantam o público.

    Sobre Babilônia, acho que o problmea não foi nem ter sido no primeiro capítulo…Isso foi usado como bode expiatório pra explicar o fracasso da novela, que, na minha opinião, não fez sucesso pela ausência de uma sinopse realmente boa. Quando há uma boa história, pode ter tudo que o público não liga.

  9. Lucas

    Acho muito engraçado ainda culparem as polêmicas de Babilônia pelo fracasso. Eu concordo que deu errado pela falta crônica de sinopse. Tanto que tivemos Verdades Secretas bastante polêmica também, e foi um grande sucesso.
    Eu acho ótimo que a mocinha dessa novela tenha se entregado a outro. Esses tabus aos poucos devem ser quebrados e quando bem conduzidos, são um ponto a favor a novela, bem como a trama do Sendel e do Alexis.
    Não sabia do final e fui correndo pro Netflix ver a cena da igreja, hahaha! Muito boa.
    Enfim. Remakes assim valem a pena!

  10. Kleber

    Só fica uma pergunta, com a classificação indicativa no Brasil, haverá história pra contar com tantos cortes?

    Adorei a crítica, mas quando a novela chegar ao brasil vai sofrer.

    Não sabia dessa bissexualidade (ou homossexualidade/) do vilão. Nem da falta do celular. Achava que essa falta de tecnologia ficava restrita as tramas da Nathalie. Lembro de ter visto celular em Sortilégio.

    Essa novela foi “elogiada” por um colega que foi ao México e passava na tela do Canal das estrelas. Disse que tinha bons cenários, iluminação e fotografia…

  11. Kaique Martins

    Thiago Lo Que La Vida Me Robo foi exibida no horario das 21h e Mentir Para Vivir era exibida mais cedo as 19h e na minha opinião Mentir Para Vivir tambem tinha uma excelente historia era uma novela bem realista e sem enrolações que acabou fracassando. Lo Que La Vida Me Robo tambem foi uma excelente novela e teve bastante cenas violentas e o publico ignorou isso. e eu concordo plenamente com vc quando as novelas tem uma boa sinopse o publico não liga, e quanto a Babilonia eu não acho que a novela fracassou só por causa do beijo gay ela fracassou tambm por causa da sinopse que era péssima e alem disso tambem teve muitas cenas violentas logo no começo enquanto no SBT passava a reprise de Carrosel e muitas pessoas resolveram trocar de canal e assistir uma novela junto com os filhos. desde que terminou Amor a Vida nunca mais teve uma novela com uma boa sinopse na Globo pelo contrario só tivemos novelas ruins Imperio fez sucesso e ate agora eu fico me perguntando como o Aguinaldo Silva conseguiu prender o publico com aquela péssima historia. muitas pessoas dizem que as novelas da Globo estão ruins pois são muito violentas e isso não é verdade pois quando era exibida Em Familia o publico reclamava por causa do excesso de violencia e em Babilonia teve bastante violencia e fracassou. a verdade é que essas novelas da Globo estão muito ruins e pelo jeito vão continuar assim pois a proxima trama das 9 eu duvido muito que consiga agradar o publico. a Globo precisa de um bom escritor que saiba escrever novelas de verdade e não que criem qualquer porcaria pra ganhar dinheiro, muitas novelas dos anos 90 da Televisa são bem mais interessante que essas tramas atuais das 9. portanto se a Televisa começar a abordar temas homossexuais em novelas que tenham boas sinopse não vai fracassar pelo contrario pode ate ter mais audiencia do que ja tem.

  12. Leandro Moura

    Ótima resenha, Thiago! Eu estava muito relutante em assistir essa novela, mas dps de ler sua crítica, talvez eu até dê uma chance, mesmo que seja só pra comparar com Amor Real.Truculência pra mim nunca foi um problema, pelo contrário: parece que quanto mais violentas, mais eu me atraio kkkkkkkkkkkkkkk.
    Concordo em parte com o que o Kaique disse, e digo mais: acho que passou da hora da Televisa tentar comprar os textos das novelas da Globo. Acho que os dois canais sairiam ganhando com essa estratégia: por um lado, a Globo ganharia mto mais visibilidade, pois a Televisa é líder em exportação de novelas. Por outro, a Televisa conseguiria dar um salto de qualidade e talvez de audiência em suas novelas.

  13. Leandro Moura

    Realmente para mim foi uma surpresa ver que Amor Real ganhou remake em tão pouco tempo e tenha conseguido fazer sucesso mesmo assim! O diferencial parece ter sido mesmo a adaptação. Acredito que o maior erro das novelas mexicanas atuais está nisso: adaptação. Nunca vi tantas adaptações preguiçosas, acomodadas, verdadeiras cópias de sucessos do passado. Não há sequer a preocupação em passar um ar de novidade. Por isso novelas como La sombra del pasado, Lo Imperdonable, Que te perdone Diós e atualmente Pasión y Poder fracassaram e fracassam na audiência. As únicas exceções realmente foram Soy tu Dueña e Abismo de Pasión.

    Aliás, a Angelique Boyer virou mesmo a favorita da Angelli Nesma, hein? Fez Abismo de Pasión, Lo que la Vida me Robó, e estive sabendo agora que ela está confirmada como as trigêmeas no remake de Lazos de Amor. Seu par romântico? Sebastián Rulli, é claro! Eu só quero ver como ela vai fazer. Talvez eu tente acompanhar, mas não boto mta fé não. Acho um grande erro ficar repetindo tantas vezes os mesmos atores nos papéis principais. O público pode acabar cansando (se é que já não cansou, né? Toda hora deve ter alguma coisa deles nos sites de fofoca). Além do mais, Lazos de Amor foi um sucesso tão grande que nem 20 anos foram capazes de apagar. A Angelli vai ter que se desdobrar muito pra conseguir extrair um sucesso de uma novela tão marcante!

  14. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Sim Lucas, esse final ambíguo não chegou a dar o mesmo barulho como o de Lazos de Amor por exemplo, mas teve uma grande repercussão, e como sempre, os escritores não colocam um final ambíguo com uma intenção que não seja justamente a de gerar assunto: conseguiram!

  15. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Kleber, essa situação da falta de comunicação eu senti muito naquela fase onde o José Luis tá preso e a Montserrat se crê abandonada. Comparando: em Amor Real, era perfeitamente cabível uma pessoa sumir e nunca mais ser achada… a Montserrat tinha aparatos técnicos ao menos pra procurá-lo (ainda que não encontrasse, já que isso melaria a história). Não vimos essa busca.

  16. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Ah sim Kaique, só pra lembrar, algumas novelas mexicanas onde homossexuais foram bem aceitos:
    – Las Tontas no Van al Cielo, a novela foi mal, mas o Tio Meño, mesmo caricato, tinha um lado muito humano e fez sucesso.
    – Amores Verdaderos, tinha uma historinha envolvendo o cozinheiro da mansão com um ricaço que não foi rejeitada.
    – El privilegio de Amar, tinha o Franco, vivido pelo Mauricio Herrera, mas aqui ele era afetado e sem nenhuma trama romântica.
    – Para Volver a Amar, tinha o personagem do Edgar Vivar, que era um gay bacana, mostrado de forma amistosa na novela.
    – Na mesma novela, havia o personagem Alcides, vivido pelo Alex Sirvent, que tinha dúvidas do que queria, e no final, ficou casado com uma mulher e infeliz.

    Agora lembro de casos onde isso foi muito rejeitado, como em Destilando Amor, que transformaram um personagem da sinopse original gay em hetero. Amar Sin Límites, onde várias coisas foram podadas, houve um casal gay, mas cortaram um personagem que era bissexual…

  17. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Leandro, eu acho que ALGUNS textos da Globo rendem boas novelas… E pensando no formato que a Televisa trabalha, vemos que várias novelas da Globo não tem uma protagonista JOVEM (principalmente as tramas das 21h). Ou algumas novelas, estrondosos sucessos aqui, jamais seriam aceitas no México, até por uma questão cultural… Imaginam, por exemplo, A Viagem sendo feita no México? Com uma temática espírita num país predominantemente católico?

    Das recentes, eu acho que Avenida Brasil, aqui taxada de diferente, não passou de uma novela clássica, e serviria pra um remake… Amor à Vida, com algumas adaptações, renderia um bom dramalhão latino… Já novelas com protagonista masculino, eu repensaria: O Rei do Gado, Império, etc.

  18. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Lo que la Vida me Robó trouxe uma novidade em relação ao original: ser contemporânea… Mas ainda assim, faltou mexer mais… Afinal de contas, como eu disse, algumas coisas precisavam ter sido melhor ajambradas, mas no saldo geral, foi uma boa adaptação. Essa e La Que no Podía Amar eu considero – não quanto à novela no geral – mas quanto à adaptação, uns dos melhores trabalhos que fizeram (En Nombre del Amor, eu provavelmnente colocaria na lista tbm).

  19. Leandro Moura

    Era justamente nessas duas novelas que eu estava pensando: Amor à Vida e Avenida Brasil. Realmente novelas como A Viagem, Além do Tempo, e outras tramas espíritas fracassariam estrondosamente. El Extraño Retorno de Diana Salazar teve essa proposta a princípio, mas acabou tendo uma reviravolta bizarra em seu final. Realismo fantástico também fracassaria, os mexicanos são pouco acostumados com essas coisas, muito dificilmente iriam “embarcar” na história.

    Dentre as novelas “mexicanizáveis”, eu citaria: Amor à Vida, Avenida Brasil, todas as novelas do Manoel Carlos, Senhora do Destino (com adaptações), Fina Estampa, A Favorita (com adaptações), A Vida da Gente…

  20. Thalysson

    Thiago, vi o que você escreveu sobre poucas novelas da Globo terem protagonistas jovens. Isso é uma coisa que eu percebo há um tempo, na Globo os protagonistas sempre tem 30 ou mais, enquanto na Televisa (hoje menos) os protagonistas são jovens até demais para suas tramas (mesmo assim gosto). Acho que o grande foco das telenovelas deveria ser esse público jovem, por alguns motivos, como:
    – É mais fácil alguém de 50 se identificar com uma história bem desenvolvida envolvendo um adolescente do que o contrário
    – O público jovem é o que mais tem tempo para ver as telenovelas
    Qual a sua opinião?

  21. Leandro Moura

    Eu tava reparando nas imagens dessa novela, e fiquei impressionado com o envelhecimento do Luiz Roberto Guzmán. O que será que aconteceu com ele? Alguma cirurgia plástica mal feita, será? Ele envelheceu mto mal! Até a Daniela Castro que é mais velha, parece mais jovem que ele!

  22. Diogo

    a Maricruz publicou um anúncio de jornal????? essa é “das antigas” mesmo

    acho meio dificil engolir no início o casamento arranjado entre a montserrat e o alejandro….na verdade, acho que deveriam ter colocado montserrat com uma profissão…ela passa impressão de ser uma moça meio fútil, que se encaprichou com o militar…

  23. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Eu acho que muito pelo contrário… O público principal da telenovela sempre será a dona de casa. Principalmente pelo horário e temática que a novela aborda. Claro que o jovem também se interessa, é até mais ávido de conhecimento por novela, atores, produção, mas quem tem que ser arrebatadas são as donas de casa… Até porque, novela vive de propaganda, e quem compra o que a novela anuncia são os adultos. Se fosse assim, Malhação seria o principal produto da Globo.

  24. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Certas pessoas quando emagrecem muito, ficam com o rosto chupado, e isso as envelhece.

  25. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Sim, que a Matilde (Adela Noriega) não trabalhasse era óbvio. Há uma parte da novela, quando a Matilde vai dar a luz, que ela trabalha escondida. Agora, a Montserrat era basicamente uma desocupada, sendo que ela já sabia que a família estava na ruína. Aí fica difícil de engolir: ela aceita se casar obrigada, mas não arruma um emprego hehehe.

  26. Thalysson

    Você está certo, mas o que eu quis dizer é que os protagonistas deveriam ser mais jovens, não as histórias. Por exemplo: a Maria do Bairro é envenenada, casa, fica grávida, é abandonada, fica louca, dá o seu filho e tudo isso aos 15 ANOS. Quando eu assisti Maria do Bairro pela primeira vez eu tinha 6 e não achei uma novela chata (muito pelo contrário), enquanto quando vi A Madrastra, mesmo mais velho, não conseguia acompanhar nada (e isso porque a história é ótima). E mesmo a Maria tendo 30 nas últimas fases, nada mudou.

  27. Igor

    Acho que o papel de Graciela ficaria melhor com a Lucero do que a Daniela Castro.Lucero não é exagerada como Daniela Castro e Gabriela Spanic.

  28. Gabriel ferreira

    Achei a novela bem moderna, atual com temas polêmicos embora o final não tenha sido um dos melhores. O que não gostei muito foi fato da Montserrat ser tão facilmente manipulada pela mãe isso chega a ser irritante!
    Seria melhor se a Angelli optasse por produzir uma história original.
    Agora aquela parte do vilão ter tido órgão genital amputado(!??) Chegava a ser cômico de tão bizarro.Quem eu mais gostei mesmo foi a Daniela Castro mais uma vez como uma mãe imperativa assim como em meu pecado.

  29. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Graciela é um personagem muito grande, mas apesar de receber o primeiro crédito na novela, não tem um peso de protagonista, como Lucero está acostumada.

  30. joão

    Gosto muito dos seus textos Thiago, parabéns!
    Será que dava pra você colocar sobre “Triunfo del Amor”?
    Obrigado desde já.

  31. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    João, obrigado por curtir o site! Em breve, já tá na lista “Triunfo del Amor”!

  32. Daniel

    Não curti muito o final, a mocinha já ficava com o galã nas outras versões, podiam ter variado e colocado ela com o militar para variar.

    Fora o fato dela ser estuprada e o público arranjar essa desculpa de “química” para o casal ficar junto no final.

  33. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    O machismo imperando como sempre, Daniel! heheh

  34. Bebel

    Parabéns pelo site Thiago!! Sou fã de carteirinha.

    “Lo Que La Vida Me Robó” foi mesmo uma grande novela. Li-te-ral-men-te rsrs. Um elenco composto de estrelas. Um casal de protagonistas já aprovado pelo público. Belas locações. Boas interpretações. Mas o grande diferencial foi a premissa de ser remake de “Amor Real/Bodas de Odio” e ao mesmo tempo inovar ao trazer a história pros tempos atuais.

    E aí vai meu pedido: “Fuego en la Sangre” (2008). Estou acompanhando-a pelo Youtube e acho que daria uma ótima resenha. Foi um fenômeno de audiência e ao mesmo tempo um fracasso de crítica.

    Desde já, obg!

  35. higor evangelista

    tem outra novela da televisa também da televisa sobre espiritismo que se chama El extraño retorno de Diana Salazar
    Com una história original de Carlos Olmos, quem também adaptpu ao lado de Mario Cruz, a telenovela contava duas histórias: uma situada em 1627 e outra em 1988 onde uma mulher acusada de bruxa, e que fora queimada pela Santa Inquisição, reencarna em uma bela jovem que busca encontrar a razão de seus constantes pesadelos onde morre queimada

  36. igor

    Machismo nem de longe.Kkkk a maioria dos leitores desse blog são homens ou seja os homens estão gostando mais de novela do que as mulheres.Pelos menos se formos avaliar os leitores deste blog que comentam as resenhas.

  37. Léo Rocha

    thiago, sou leitor desse site e adoro, Parabéns
    Essa é uma das minhas novelas preferidas,bem vamos aos meus comentários rs
    Graciela concordo com a parte do exagero, mas você falou uma coisa certa, a personagem foi muito bem conduzida, e é a minha personagem preferida da novela..
    Josefina não achei que ela era tão feia assim como se referiam a ela na novela
    Monserrat foi uma das protagonistas mais modernas que vi na Televisa um grande avanço!
    Como acontece normalmente não teve personagens que ficaram sobrando, todos apareceram e tiveram grande espaço, Nadia, Josefina, Dimitrio, Carlota, Adolfo.. isso sem tirar o posto dos protagonistas, a trama que menos me interessou foi a da esmeralda e do refugio.. zzzzz
    Enfim adorei a novela =)

  38. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Oi Bebel, que bom que curte o site! Espero que continue acompanhando!
    Fuego en la Sangre logo aparece por aqui!

  39. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Não Igor! hahaha
    O machismo a que me refiro é o que a própria novela prega!

  40. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Léo, que legal seu comentário! Continue participando. Sobre o que você comentou: acho que eles de fato dosaram bem as subtramas, apesar de muitas, soube aproveitar todo mundo bem, serviram para alongar a novela sem enfraquecer a trama central, isso é um grande mérito da novela!

  41. Danilo

    Já que tá todo mundo metendo a colher na crise da Televisa deixa eu meter a minha… Das novelas atuais a nível de ibope, a que mais me incomoda é Pasión y Poder. Estelar perder várias vezes pra novela das 6?

    A nível de história, não aguento é Lichita. Nada a ver com a Maite. Só acho estranho uma produtora que na bio do Twitter dela fala de criatividade e inovação apresentar um requentado de suas duas últimas novelas anteriores. E nem ponho em causa a polêmica com Betty. Mocinho cafajeste que plagia a mocinha? Eva tinha e Lichita tem. Gay encubado que engata um romance de aparências com colega de trabalho e não é aceito pelo pai executivo? Idem. Paródia do sotaque argentino? Idem. Manuel Flaco Ibáñez fazendo pela terceira vez o papel de pai/tio da mocinha (na Tontas era tio mas era o mesmo que pai porque era a única família da Candy) nas comédias da Rosy. Ingrid Martz na segunda vilã consecutiva em comédias da Rosy e nem o cabelo mudou. Pablo Valentín outra vez amigo cafajeste do mocinho idem e Eduardo Santamarina praticamente revivendo o Diego Fonticoda. Assim tá difícil uma história passar por original. A gota d´água foi a polêmica vazia do suposto beijo gay em Lichita que já tinha sido vetado em QPTR. Pra ser um beijo igual o de Como dice el dicho que não mostrou nem as bocas se encontrando? Melhor não ter.

  42. Danilo

    Quanto a Televisa fazer remake de novela da Globo, pessoalmente não concordo. Entre el amor y el deseo a própria Globo considerou fracasso. De Velo de Novia e Ni contigo ni sin ti nem se fala.

    Pra ver novelas da “qualidade” de I Love Paraisópolis, Babilônia e A regra do jogo (sério, nem gente que ama a Globo suporta essas novelas) ou a versão espírita de Downton Abbey (nada contra a religião, só não curto novela do tipo embora quando novo amava Alma gêmea, e todo santo ano a Globo faz novela espírita), prefiro que a Televisa flope mas mostrando algo diferente do que eu não quero ver. Nem o que dizer de Totalmente Demais que todo mundo sabe que é uma mistura de Pigmalião/My fair lady com O diabo veste Prada (e a última já tinha virado novela, “Las 2 Carolinas” da Chilevisión, que foi um fracasso).

    E por último, se já era difícil antes Televisa e Globo (que os fãs da segunda enxergam como inimigas mortais) se entenderem a ponto de a primeira fazer remake de novela da segunda antigamente, quanto mais agora que a Globo tá firme com a Azteca…

  43. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    É a tentativa de fazer algum alarde em cima da novela!

  44. Micael

    Olá, gente! Eu sempre acompanho as resenhas do site e um leitor assíduo pois sempre fico ansioso pra saber a próxima a novela que vai ganhar uma resenha. Em relação a Lo Que La Vida me Robô tem muitos pontos a favor do que contra. Logo que anunciaram que iam “remakear” o clássico Bodas de Ódio e, principalmente que seria ambientada nos tempos atuais fiquei preocupado pois pensava que mais um clássico iria ser estragado. No entanto, me surpreendo em todos os sentidos em relação a esta nova adaptação. Fora que o casal principal demonstrou muita química logo de cara, apesar da potência que o casal tem. Quando eu acabar de ver Pasion de Gavilanes, irei acompanhar essa novela que me encantou logo de cara!

  45. higor evangelista

    DANILO VELO DE NOVIA A novela de 2003 não é precisamente um remake da novela de Janete Clair, porém traz elementos da versão de 1971, realizada no México, que era uma adaptação da novela da Tv Globo de 1969. Esta versão foi resultado da união de duas novelas: “Véu de Noiva”, original de Janete Clair e de “No Creo en Los Hombres”, de Caridad Bravo Adams, que chegou a ser exibida no Brasil em 1993, pelo SBT. E ACHO QUE ESSA NOVELA NÃO IA SER SUCESSO DA GLOBO .

  46. Lissandra Dias

    Quando essa novela chegou à Netflix, não me interessei porque tinha a Angelique (Não ia com a cara dela por causa de Rebelde) e por saber que era uma adaptação de “Amor Real” (Novela que amei). Porém, com as férias e sem nada para fazer, decidi começar a vê-la e me arrependo de não ter feito isso antes.

    Amei a história! O medo de ser uma adaptação mal feita de “Amor Real” passou e acho q a produtora fez muito bem em não seguir ao pé da letra a história anterior.

    Apesar de achar as cenas de violência exageradas, pude perceber como as novelas mexicanas realmente estão ficando mais “modernas”, porém continua com o ranço machista e tradicional.

    Passei a gostar de Angelique e comecei a ver “Abismo de Pasión”.

  47. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Ah sim Lissandra… Lo Que la Vida me Robó mostra mais abertura em relação a alguns temas, mas TODAS as novelas mexicanas em geral carregam esse ranço machista…Talvez as que fujam um pouco disso que eu lembre: Tres Mujeres (1999), Piel de Otoño (2005) e Para Volver a Amar (2010).

  48. Abel Damasceno

    Thiago,
    Saudades das suas matérias. Quando você vai voltar a publicar? :'(

  49. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Em breve! O que me dificulta são os vídeos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *