[2003] Amor Real

Uma grandiosa produção de época, Amor Real se transformou num clássico da Televisa, bem como colocou o nome de Carla Estrada numa posição privilegiada dentro da emissora.

A história, original de Caridad Bravo Adams, se passa num período de revoluções. Matilde (Adela Noriega) é uma jovem que pertence a uma importante família e se apaixona por um militar sem fortuna, Adolfo Solís (Mauricio Islas). A família trama contra a felicidade do casal, mandando-o para a cadeia, enquanto oferecem a mão de Matilde a Manuel (Fernando Colunga), um jovem médico que acaba de herdar uma grande fortuna. Sem saber de nada, Manuel se casa com Matilde, e logo após o casamento, descobre que Matilde amara outro. Ensandecido de ódio, Manuel leva Matilde a sua fazenda para consumar verdadeiras “bodas de ódio”. A situação fica cada vez mais tensa, ainda mais quando Adolfo decide ir a fazenda em busca de sua amada usando outra identidade.

AR-01A trama já havia servido de base para outro grande sucesso, Bodas de Odio, em 1983, com Christian Bach, Miguel Palmer e Frank Moro. Exatos 20 anos depois, a versão produzida por Carla Estrada superaria o sucesso e sobretudo a repercussão da mesma.

Assim como na versão anterior, a adaptadora foi Maria Zarattini, que por sua vez, também havia sido a escritora de outra adaptação da autora cubana Caridad Bravo Adams, Corazón Salvaje. Por conta disso, há vários elementos recorrentes nas duas novelas. Até porque, a escrita de Maria Zarattini tem alguns selos bem características: forte apelo sexual em contraponto a história melodramática (não apenas em cenas, como nos diálogos, mostrando a abertura para esses temas mesmo em séculos passados), ela não finaliza os capítulos com um clímax, entre outros. O melhor das novelas dela é que os personagens não são tão estereotipados. Matilde, mesmo sendo a heroína, mentiu muitas vezes, foi infiel ao seu marido. E Manuel, mesmo sendo o mocinho, tinha seus momentos de profundo rancor e violência (numa das cenas, ele obriga Matilde a se entregar a força na lua-de-mel).

AR-02A ousadia de Carla Estrada foi realmente muito grande. Até porque as novelas de época haviam sido banidas da programação depois de alguns fracassos e algums tramas excessivamente históricas (que embora trouxessem prestígio, não traziam audiência, vide o alto custo de produção). E aqui ela se esmerou: lindos cenários, figurinos, e uma cidade cenográfica (que embora não fosse perfeita, denotava um requinte a mais comparado a outras novelas). O grande pesar da produção foi mesmo a iluminação. Talvez no afã de deixar o mais real possível, haviam cenas excessivamente escuras.

E para completar, na época, a TV Azteca lançou uma forte competência, Mirada de Mujer el Regreso. Mas Amor Real facilmente deixou a concorrência para trás, pois tinha uma história muito boa, um elenco multiestelar e afiado, uma produção esmerada e uma direção firme de Mónica Miguel. A novela quebrou vários recordes de audiência.

AR-03O público se apaixonou mesmo foi pela história. Os elementos para o sucesso já estavam no argumento original: um forte triângulo amoroso, amores impossíveis, casamentos por interesse, etc. O casal vivido por Adela Noriega e Fernando Colunga ganhou o coração do público, tornando-se referência. Adela Noriega consagrou-se aqui como uma rainha das lágrimas. Matilde chorou em praticamente todos os capítulos! E Fernando Colunga teve aqui seu melhor desempenho como ator. Manuel era o homem perfeito como Colunga muitas vezes havia interpretado: justo, valente, apaixonado, mas também tinha um lado obscuro, que fez com que ele chamasse a atenção nessa interpretação. E Mauricio Islas, no contraponto do triângulo, teve uma atuação impecável como Adolfo. Apaixonado até o fim por Matilde, não houve quem não se compadecesse de seu sofrimento, mesmo com a torcida para o amor de Matilde e Manuel triunfar.

AR-05Inúmeros foram os destaques do elenco: Ernesto Laguardia surgiu completamente diferente compondo Humberto, um vilão cínico, que sofria de impotência sexual, Mariana Levy como Josefina, uma feiosa encantadora, Helena Rojo (ainda que não teve o destaque merecido), aproveitou muito bem suas aparições como a mãe interesseira. Ana Martin foi outra que brilhou. Após anos sem aparecer em novelas num papel de peso, voltou como Rosário, a sofrida mãe de Manuel. Uma mulher extremamente simples e boa. Maya Mishalska com Marianne, a golpista francesa que queria roubar a fortuna de Manuel.

A novela teve duas revelações. A jovem Kika Edgar encantou o público como a jovem Catalina, uma doce e doente menina apaixonada por Adolfo Solis. E Ana Bertha Espín como a simpática Tia Prudência, um papel que marcou um divisor de águas na carreira da atriz, já madura.

AR-06A novela teve inúmeras etapas. Após uma passagem de tempo, a novela entra numa fase de estagnação, onde surge a presença de Ramón Marquez (Carlos Cámara), mas era um vilão chato e com um desejo obsessivo mal explicado de querer destruir Manuel. O excesso de política deixou a novela na sua fase menos interessante.

Maria Zarattini deu a volta por cima com a suposta morte de Manuel, que leva a novela para as últimas semanas em sequencias realmente emocionantes, seja de guerra, ou as cenas românticas do reencontro com Matilde.

Algumas cenas marcantes: quando Manuel esbofeteia Matilde logo após o casamento, quando ele desmascara Matilde e a expulsa de casa, e consequentemente, dá a notícia para Matilde da morte do seu pai (um banho de Adela Noriega naquilo que faz de melhor: chorar); a morte de Catalina, e ainda, a queda da carruagem de Manuel, e sua aparição no noivado de Matilde e Adolfo.

A reta final rendeu ainda momentos memoráveis, como a morte de Rosário, a condenação de Manuel à morte, e na sequencia, o fuzilamento de Adolfo, que acaba sendo recebido pelo espírito de Catalina (numa das cenas mais sensíveis da novela).

AR-07Tanto sucesso fez a novela e seu elenco ganhar inúmeros prêmios, mas colocou Carla Estrada em projetos redundantes (outras novelas de época, com texto de Maria Zarattini), que não repetiram o sucesso de Amor Real.

Logo após a novela, Mauricio Islas recebeu uma oferta da Telemundo, nos EUA, e se mudou para lá. A Televisa ficou possessa, e quando a novela foi exibida nos EUA, sequer o crédito do ator foi colocado na abertura! Uma injustiça!

Uma curiosidade: Yolanda Mérida, que viveu D. Juana, a madrinha de Catalina, havia participado de Bodas de Odio, como Rosário, agora defendida por Ana Martin.

Nos bastidores da novela, existia uma inimizade entre Harry Gaithner (que vivia Yves, um dos inimigos de Manuel) e Fernando Colunga. O próprio Harry se queixou de Colunga anos depois.

Um fato triste: Amor Real marcou a despedida da talentosa atriz Mariana Levy. A atriz foi vítima de um ataque no coração em 2004, quando pressentia que seria assaltada dentro de seu carro.

AR-08A trilha incidental da novela quis repetir algumas músicas que haviam sido usadas em Corazón Salvaje. Depois de algumas críticas, elas foram retiradas e uma trilha também de Jorge Avendaño entrou, e era uma excelente trilha sonora. Pena que o tema principal, do Sin Bandera, embora tenha sido pegajoso, não combinasse tanto com a atmosfera que uma novela de época exigia.

Exatos dez anos depois, a Televisa produz uma nova versão, Lo Que La Vida Me Robó, com Angelique Boyer, Sebastian Rulli e Luis Roberto Guzmán nos papéis principais. O diferencial dessa versão é que a história se passa nos dias atuais.

A repercussão imediata e o estrondoso sucesso fizeram de Amor Real quase que um clássico imediato, num sucesso que dura até hoje, vide a legião de fãs que a novela conquistou ao redor do mundo.

Confira um vídeo com o elenco da novela!

27 comentários sobre “[2003] Amor Real

  1. Luccas Villela

    Tenho preguiça de novelas de época, mas parece interessante essa. Gosto dessa musica de abertura.

  2. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Vale muito a pena! É uma novela clássica, e apesar de ser de época, é bem atual no texto! Fora o elenco multiestelar que foi reunido aqui! Adela Noriega, Fernando Colunga, Mauricio Islas, Helena Rojo, Ernesto Laguardia, Ana Martin, Chantal Andere, Carlos Cámara, Ricardo Blume, Mauricio Herrera, Ricardo Blume, Ana Bertha Espín, Maya Mishalska, Rafael Rojas, Jorge Vargas, Yolanda Mérida…

  3. Arsenia

    A-do-rei a novela. Conheci pelo youtube no feriadão entre semana santa e Tiradentes (agora em 2014) e não paro de assistir e revisar.Maravilhosas as encenações de Colunga e Adele. Já era fã de Colunga por causa de A usurpadora (tb baixei no youtube) mas ele está simplesmente impagável me Amor Real. Valeu realmente todos os prêmios e a produção. Gostei muito do tom sensual dado, ficou bonito se ser apelativo. Parabéns!

  4. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Eu acredito e atribuo que esse tom sensual foi justamente uma das razões mais fortes pra explicar o sucesso da novela! É uma história linda, e uma produção magnífica… Naquele momento, em 2003, significava um avanço muito grande em termos de produção dentro da Televisa. Enfim, uma novela vitoriosa.

  5. RENATA

    EU ASSISTIR ESSA NOVELA NO ANO DE 2003 E TORNEI A ASSISTI-LA NOVAMENTE ESSE ANO.É UMA LINDA HISTORIA E OS PERSONAGENS ESTÃO IMPECÁVEIS.VALE A PENA REPRISAR

  6. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Sim, também sou apaixonado pela novela. Mas assista no Youtube, tem completa!

  7. Lucas

    Eu adorei Amor Real! Quase desisti nos primeiros capítulos, porque achei enrolados. Porém voltei a vê-la e nunca mais parei! O elenco é maravilhoso, a história é ótima e a produção é um charme. Adela e Colunga combinaram demais. E quanto ao Islas, ok que tirar o crédito dele da abertura dos EUA foi demais, mas injustiça se paga com injustiça! Teve o melhor e mais lembrado papel da vida nessa novela e trocou tudo pelo quê? Uma novela flopada e um monte de escândalos na vida pessoal? Ninguém merece. Mas voltando a novela, tô curiosíssimo pra ver esta nova versão, que já deve estar bem distante de Bodas de Ódio e AR.

  8. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Tenho impressão que Lo Que la Vida me Robó é distante no que diz respeito às subtramas, mas exatamente igual nas coisas que mais fizeram a novela ser sucesso.

  9. Felipe Rodriguez

    Um verdadeiro clássico que não resta nenhuma dúvida que vale mesmo a pena assistir! Se tivesse um Emmy de melhor novela no ano de “Amor Real” ela ganharia com certeza! “Amor Real” marcou a dramaturgia do México! Adela Noriega e Fernando Colunga simplesmente deram um show nessa novela! Além disso, a novela tinha muita qualidade em todos os aspectos, texto, imagem, direção, figurino, cenários, e principalmente o elenco! Uma novela impecável, uma das melhores novelas já feitas na Televisa! mereceu todos o sucesso de audiência e de crítica que teve.

  10. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Essa novela já terminou com o status de clássico, merecido, pelo esforço e empenho em produzir algo que o México há tempos não via!

  11. leticia almeida

    Essa novela é muito bem feita..tem várias cenas marcantes.Meu Top 3 é Corazon Selvaje,Amor Real e La Madrasta.

  12. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    “Amor Real” chegou no nível de Corazón Salvaje de carregar uma legião de fãs!

  13. Diogo

    eu gosto dessa novela…acho q a história é boa…o elenco grandioso…mas foi mto celebrada e mesmo a carla estrada ou os protagonistas…tiveram novelas que…para o meu gosto, foram melhores…no SBT era uma ESCURIDÃO real…

  14. evlyn de araujo

    Como não amar essa novela!Simplesmente maravilhosa!Carla Estrada mais uma vez,fez uma produção impecável!Fernando Colunga e Adela Noriega(aliás,saudades dela!Tem tempo q não há vejo atuando!Faz falta na TV)fizeram um par romântico inesquecível!Gostaria de revê-la!

  15. Kleber

    Alguém se lembra do Silvio Santos fazendo propaganda no Show do Milhão dessa novela?

    “Se você não gostar de Amor real, não assista mais novelas no SBT”…

  16. Luciana

    A novela “Amor Real” é uma das telenovelas mexicanas que mais gosto, sendo de época. O elenco é maravilhoso, gosto de rever sempre que posso, não canso de ver as belas atuações, de Fernando Colunga, Adela Noriega, Mauricio Islas. Mas a telenovela “Lo Que La Vida Me Robó”, com Angelique Boyer, Sebastian Rulli e Luis Roberto Guzmán, não gostei. O pouco que vi não me cativou, gosto das atuações de Sebastian Rulli, mas mesmo assim, acho que falta alguma coisa. Pra mim até agora nenhuma substitui o “Amor Real”.

  17. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    A comparação entre “Amor Real” e “Lo que la Vida Me Robó” é inevitável em função de serem a mesma essência, mas ao meu ver, são novelas bem diferentes. A questão de ser ou não de época modificou boa parte da trama, mas ainda assim, “Amor Real” foi superior, tanto em qualidade, quanto em sucesso.

  18. Lidiane Cavalcante

    ola,sou de Upanema rio grande do Norte Brasil …gostaria muito de rever Amor Real!!! Essa novela marcou muito pra mim. Nessa época eu não tinha televisão e quando eu não ia pra casa de uma vizinha ficava ouvindo as vozes pela parede da vizinha.gostaria muito rever.

  19. carla junia soares

    essa novela ja passou no sbt,anos atras eu me lembro de te-la assistido e foi muito boa,gostaria de assistir novamente se possivel…

  20. alessadra

    Lindíssima novela amor real ,muito tempo não vejo novelas romântica de época tão boa vale a pena ver novamente!!!

  21. higor evangelista

    thiago me responde, alguma coisa porque televisa faz tantas versões de novelas tantos remakes de novelas ? ESSA NOVELA VAI INTEIRAR 3 VERSÕES JÁ NO MÉXICO BODAS DE ODIO , AMOR REAL , O QUE VIDA ME ROUBOU, NOSSA ………

  22. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Eles fazem mil versões das mesmas novelas porque são preguiçosos e tem medo de arriscar em novelas originais.

  23. jaqueline

    Bem que podia passar de novo nao aguento mais aquela Talia a tarde,

  24. higor evangelista

    unica novela helena rojo não fez uma mãe chorada risos e coragem selvagem nas outras ela mãe chorona

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *