[2012] Amores Verdaderos

Nicandro Díaz Gonzalez novamente sem medo de arriscar colocando no ar novelas já vistas com sucesso pela concorrência, acerta outra vez, promovendo o grande sucesso do ano: Amores Verdaderos.
Na história, Victoria Balvanera (Érika Buenfil) está casada com o empresário Neslon Brizz (Guillermo Capetillo). Sua vida está rodeada de inimigos, que tramam sua morte. Entre eles, “Salsero” (Francisco Gattorno), guarda-costas de seu marido, que faz com que a modelo Kendra Ferreti (Marjorie de Souza) se aproxime de Nelson, visando ser a nova senhora Brizz. Mas no caminho de Victoria, está José Angel Arriaga, um homem do campo, que a salva de um atentado e se torna seu novo guarda-costas. Temendo pela vida da sua filha, a temperamental Nikki (Eiza González), Victoria também lhe dá um vigia, Francisco Guzmán (Sebastián Rulli). E assim, essas duas mulheres conhecerão, em meio a perigos, o verdadeiro amor.

002-AMORESA história original, chamada Amor em Custodia, é argentina de Enrique Estebanez e Marcela Citterio e data de 2005, mesmo ano que a TV Azteca, concorrente principal da Televisa, produziu uma versão de mesmo nome com Margarita Gralia, Sergio Basañez, Paola Nuñes e Andrés Palacios nos papéis centrais. A novela foi um estrondoso sucesso e viu a Televisa ter sua liderança abalada. Somente 7 anos depois, ninguém contaria com o sucesso, mas assim como com Destilando Amor, vem uma nova versão de igual ou mais sucesso.

Uma história muito bem delineada, contava com uma mulher casada que resistia a aceitar a atração que seu guarda-costas exercia, e ele, por seu lado, estava casado e queria se manter fiel, gerando então o conflito. As maldades foram armadas por uma modelo que aproveitava-se da sua exacerbada beleza para seduzir um homem rico, enquanto seu comparsa (e cabeça do plano original) acaba se apaixonando pela mulher mais simples da história. E como sempre, uma relação entre tapas e beijos do casal jovem da trama.

Ação, suspense e muito romance desenharam a fórmula do sucesso da novela. Apesar do primeiro beijo entre Victoria e Arriaga só surgir depois da metade da novela, a tensão da atração surgida entre os dois manipulada repetidas vezes garantiu o fascínio da audiência. Bem como a relação de amor e ódio entre Nikki e Guzmán – também envolta em situações por vezes repetitivas, mas parecia que o público não se importava. A audiência comprou a novela de forma arrebatadora.

003-AMORESChegou a ser descomunal o sem fim de vezes que Victoria e Nikki estiveram em perigo! Nem o presidente da república foi tantas vezes vítimas de atentados, mas lá estavam os guarda-costas mais destemidos do universo – e com mais sex appeal.

Os focus group apontaram que a história de amor entre Nikki e Guzmán tinha igual ou maior preferência que a de Victoria e Arriaga. E fez muito sucesso também as frases e apelidos de desdém proferidas por Nikki, que sempre desprezava Guzmán, e se achava mais esperta que todos.

Outra trama que chamou a atenção, e que ganhou boa parte da novela foi a de Adriana (Natália Esperón). A irmã de Victoria tinha rompido relações com a família, depois que o pai, Aníbal (Enrique Rocha) havia tirado sua filha após o nascimento. Essa filha era nada menos que Liliana (Sherlyn), a filha de Arriaga. Um prato cheio para lágrimas e mais lágrimas.

004-AMORESUm grande alvoroço criou-se na imprensa para decidir quem seria a protagonista da novela. Nomes como de Adela Noriega, Victoria Ruffo, Rebecca Jones e Maribel Guardia chegaram a ser cogitado. A escolhida foi Érika Buenfil.

A eleição causou surpresa porque apesar de ser sido uma protagonista vigorosa nos anos 80 e 90, Érika vinha sendo destinada a papéis menores. Durante uma entrevista, a atriz declarou o quanto batalhou para provar que poderia fazer esse papel, e que não entendia porque outras atrizes contemporâneas tinham oportunidades melhores que as dela. Ela também relatou o nervosismo pela resposta do produtor. Mas a escolha resultou num acerto. Érika chamou a responsabilidade pra si e brilhou como Victoria. Ainda por cima, o papel exigia que a atriz – mesmo já madura –  explorasse sensualidade, charme, vigor. Érika Buenfil cumpriu a altura o compromisso.

Eduardo Yañez, um verdadeiro astro, usou aqui de todo seu carisma para fazer de Arriaga um dos personagens mais cativantes da história. E isso com as críticas em relação ao seu físico, e seu preparo para as cenas de ação. Arriaga, apesar de ser um homem do campo, lutava aikido (o que lhe rendeu dentro da novela o apelido de “rancheiro karateka” – e “Kung Fu Panda” fora da novela!).

005-AMORESSebastian Rulli esteve no auge de seu físico para fazer de seu Guzmán o galã favorito da história. Além disso, ele é bom ator, e o personagem teve seus próprios conflitos, de onde ele aproveitou toda oportunidade para mostrar sua capacidade.

Outra eleição inesperada foi a de Eiza González como a patricinha Nikki. A atriz, que havia sido lançada em 2007 em Lola Érase una Vez, fazia trabalhos juvenis para canais a cabo. Aqui, mostrou-se um acerto, mesmo com alguns exageros. Tinha carisma e graça para não tornar Nikki uma completa antipática. A personagem ainda abordou a problemática da bulimia. Bulimia essa que parecia ser enfrentada pela própria atriz, de tão magra que ela surgiu. Além disso, antes de começar a novela, ela passou por uma cirurgia plástica, aparecendo com uma imagem completamente nova.

A novela marcou o retorno de duas boas atrizes. Mónika Sanchez viveu Cristina, a mulher de Arriaga. Foi até curioso vê-la interpretando uma mulher boa, simples, quando ela sempre é vista como uma vilã rica e sofisticada. E Natália Esperón, que mostrou novamente competência para ser a Adriana, uma das personagens mais dramáticas.

A grande revelação foi Marjorie de Souza. Ela já havia trabalhado no México em 2004, na novela Mariana de la Noche. Mas foi em Amores Verdaderos que seu nome ficou realmente conhecido. Muito, muito bela, a atriz tirou partido de sua beleza para fazer de Kendra um grande sucesso.

006-AMORESEnrique Rocha e Ana Martin foram os primeiros atores, e a princípio, pareciam viver papéis sensivelmente diferentes do de sempre. Ele, não parecia tão vilão, e acabou sendo o principal vilão da novela. E ela, parecia menos boba, mais forte, e acabou sendo a besta de sempre! Ana Martin celebrou aqui 50 anos de trajetória (com direito a anúncio disso nos créditos da novela).

Susana González aceitou fazer a novela por ser um papel coadjuvante. Era Beatriz, a irmã de Guzmán, que sofria violência. Boa atriz que é, acabou não passando tão despercebida assim. Muito ao contrário, teve o destaque merecido.

Guillermo Capetillo foi outro que há tempos precisava de um papel a altura de sua trajetória (foi talvez um dos galãs mais badalados dos anos 80). Nelson Brizz foi esse passo.

A mais irritante – como sempre – foi Sherlyn. Já muito velha pro papel (não tanto em aparência, mas há ANOS a vemos como mocinha adolescente), no começo ela irritava falando com as plantas, e a coisa só piorou quando Liliana se descobre uma Balvanera e começa a desprezar o pai!

007-AMORESOutra atuação totalmente “over” foi a de Lilia Aragón, que tem se especializado em personagens caricatas, com cara de bruxa. A novela ainda abordou uma trama gay, entre personagens inusitados que eram unidos por um cãozinho. Tratava-se Stéfano Longoria (Archy Lanfranco), o filho de Odete. Ele se envolvia com o cozinheiro dos Balvanera, Jean Marie (Rubén Franco), após perder seu cachorro. Tudo bem sutil, mas os dois chegam a se casar no final da novela.

Uma presença estranha foi a de Eleazar Gómez como Roy, o noivo de Nikki. Não tanto pela atuação dele (fraca, mas tolerável), e sim porque ele é muito baixo para Eiza González, que ficava muito maior que ele em cena.

Francisco Gattorno havia participado de Abismo de Pasión (a atração anterior no horário). Seu papel havia sido destinado a Alberto Estrella, que de última hora declinou. Ele acabou preenchendo a vaga e emendando duas novelas.

008-AMORESKary Fajer foi novamente a adaptadora de Nicandro. Seu estilo limita-se a usar o mesmo texto original e esticar o máximo que der. Apesar disso, a novela desde o primeiro momento foi um sucesso absoluto. Mas, ela precisou se ausentar, e a Televisa contratou temporariamente Alberto Gomez pro seu lugar. Os capítulos ganharam sua assinatura: muitas discussões, barracos, e a audiência que já era ótima, só acrescentou. Mais na reta final, novamente Kary Fajer se ausentou, sendo substituída por Ximena Suárez.

A versão da Azteca, no afã de esticar indefinidamente a novela, acrescentou uma parte onde surgiria uma irmã gêmea da protagonista que trabalhava como dançarina de table dancer. O recurso, bastante estapafúrdio (até porque Anibal já tinha uma filha perdida na história original), aqui não foi usado, felizmente. Até porque foi pedido de Salvador Mejía Alejandre, já que a substituta de Amores Verdaderos – La Tempestad – usaria protagonistas gêmeas.

Amores Verdaderos foi o tipo de novela que é sucesso imediato, vira assunto, tem repercussão, e mostrou mais uma vez a capacidade de Nicandro Díaz González de apresentar um sucesso atrás do outro.

Confira abaixo um vídeo com o elenco da novela:

10 comentários sobre “[2012] Amores Verdaderos

  1. Luccas Villela

    Parece uma boa novela, tenho certa curiosidade, apesar de implicar com Erika.

    Gostei do que disse da Sherlyn, uhsuahsahsaus, desde 2000, em Mi Destino Eres Tu ela faz papel de adolescente chatinha, rss.

  2. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Eu gosto dela… E curiosamente fui dos que estranhou muito a decisão pelo nome dela como Victoria, mas acho que ela se mostrou a altura do papel, do horário etc

  3. Lucas

    Érika Buenfil é uma das atrizes mais competentes da Televisa. Até entendo a implicância das pessoas, afinal, ela vinha há anos coadjuvando – e atualmente está como secundária em La Gata. Porém, mesmo sem ter visto AV ainda, nota-se que ela deu conta do recado, mesmo sem linda-maravilhosa, nem ser popular como as outras atrizes estelares da casa. No mais, elenco, produção e enredo de primeira me fazem ter mais e mais vontade de ver essa novela e logo!
    PS: A abertura e o tema musical casam tão perfeitamente! Um destaque em meio a aberturas farofeiras que a Televisa anda fazendo.

  4. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Pois é, gostei que eles testaram tecnologia nessa abertura… E o tema é lindo. Muito embora me lembro muito do tema de Amor en Custodia, que tinha outra pegada, mais salsa, e também era bem marcante – mesmo numa abertura pobre.
    Sobre a Érika, concordo em tudo com você!

  5. Felipe Rodriguez

    “Amores Verdaderos” com certeza é um novelão, só pelas chamadas ela já me conquistou, a sinopse da novela na minha opinião é excelente! E nessa trama tem muitos atores que eu gosto como: Érika Buenfil, Guillermo Capetillo, Francisco Gattorno, Eiza González, Sebastián Rulli e Sherlyn – Sim, adoro ela, principalmente suas personagens adolescentes mimadas, hehehe – Além disso, os cenários da novela são muito charmosos, a abertura eu gostei muito e o tema então é lindo, tenho muita vontade em ver “Amores Verdaderos”, não resta dúvidas de que é uma ótima produção do horário nobre, Nicandro Díaz González fez grandes sucessos e com esta novela não foi diferente!

  6. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    “Amores Verdaderos” foi das minhas favoritas recentes! Totalmente cara de horário nobre, seja pela trama, elenco e produção!

  7. Danilo

    Segundo o Wikipédia, a versão mexicana foi a única a não ter gêmeas. Detalhe que a protagonista da colombiana foi Alejandra Borrero (a Lucia de Café), que na vida real é abertamente lésbica.

  8. Diogo

    é uma coincidência que mãe e filha tem seguranças bonitões e bem intencionados e elas se apaixonam por eles? Sim, até demais! mas a trama é mto boa, a história é envolvente e os casais tem química…não morro de amores pela Eiza…sempre pensei em Belinda para essa personagem…mas a novela é boa demais!

  9. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Das recentes, sinto que essa foi a novela mais completa e bem-sucedida que a Televisa fez!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *