[2011] La Fuerza del Destino

Com esse trabalho, Rosy Ocampo finalmente ganhou prestígio no mundo das novelas. Conseguiu produzir uma novela adulta, dramática, de qualidade, e que ainda por cima, caiu também no gosto do público.

Na trama, Iván Villagómez (David Zepeda) regressa a Sonora para enfrentar fantasmas do passado: reencontra seu verdadeiro pai Juan Jaime Mondragón (Juan Ferrara), que nunca o havia reconhecido e foi motivo da desgraça de sua mãe Alicia (Letícia Calderón); e Maripaz (Laisha Wilkins), seu amor do passado, que somente o utilizou, e que graças a mãe dela, Lucrécia (Rosa Maria Bianchi), fez com que Iván, golpeado e ferido, fosse envolvido num assassinato. Agora, convertido em milionário, graças a seu pai adotivo, o americano Anthony (Pedro Armendáriz Jr), Iván pode desvendar a morte de sua mãe – em um aborto clandestino – e o paradeiro de seu filho desaparecido. É quando descobre um grande e verdadeiro amor em Lucía (Sandra Echeverría), a irmã mais nova de Maripaz, que sempre esteve apaixonada por ele, e ele só a via como uma menina. Viver este amor provocará turbulentos acontecimentos, e até mesmo a rivalidade de seu único e incondicional amigo: Camilo (Gabriel Soto).

FUERZA-01Com esta espinha dorsal, a autora Maria Zarattini desenvolveu uma excelente novela. O argumento tradicional e clássico foi o suficiente para levar a cabo 100 capítulos com os elementos mais clássicos do folhetim: a vingança, o amor impossível, vilões interesseiros e ambiciosos que atrapalharam o caminho do herói marcado pela tragédia no passado. La Fuerza del Destino funcionou porque era uma novela original – em meio a um mar de remakes de novelas de sucesso recente – e que ao mesmo tempo não quis ter a pretensão de ser diferente. Aglutinou os mesmos elementos de outros trabalhos e recriou uma nova história, e que teve em seu texto inteligente e menos maniqueísta o grande diferencial.

Uma característica forte do texto de Maria Zarattini é a importância do papel masculino. Apesar do subtítulo da história ser La Historia de Iván y Lucía, era praticamente sobre Iván a novela. Ele era o melhor personagem e o que desencadeava todos os conflitos. Desde criança, foi possível acompanhar o personagem – então vivido pelo ator juvenil Adriano – na casa da família Lomeli, onde se apaixona por Maripaz e desperta a paixão da filha menor, enquanto sua mãe trabalha de empregada, apesar de ser a filha bastarda do marido de D. Carlota (Delia Casanova). Iván, como a mãe, também era um bastardo. O pai Juan Jaime sabia de sua existência, mas o desprezava e não o reconhecia.

FUERZA-02Juan Jaime podia-se dizer o vilão da novela. Não era um perverso absoluto ou assassino, mas um homem machista e injusto. Desapontado com os dois filhos legítimos, David (Jauma Mateu) – que era considerado um “gay enrustido”, e portanto, obrigado a se casar com Maripaz numa boda fracassada e curta – e Saul (Ferdinando Valencia), masculino como o pai, mas pouco inteligente, o que o levava em se envolver com bandidagem e corrupção. Eis que então aparecia Iván, culto, inteligente e rico, e era justamente o filho que ele havia desprezado. A redenção foi o caminho mais justo para a trajetória de Juan Jaime dentro da novela.

A outra vilã era Maripaz. Mas o interessante da personagem é que também não fazia as maldades óbvias para separar o casal. Maripaz era a criatura mais egoísta e superficial do universo. Na primeira etapa, apenas curtia com “o filho da empregada”. Na segunda, se envolve com David por puro interesse, e posteriormente, com Iván. Mais tarde, ao se dar conta de que o filho estava perto, apenas o utilizava para sacar proveito. Mas o mais marcante das personagens eram as bebedeiras, as festas intermináveis e seus comentários espirituosos a respeito de tudo. Uma vilã que conseguiu ser marcante novamente sem precisar sequestrar ninguém ou virar serial killer.

FUERZA-03Outro personagem marcante foi o ambíguo Antolin (Marcelo Córdoba), o irmão de Camilo. Metido com bandidos, ele fora o responsável pelo assassinato atribuído a Iván. Mas ao mesmo tempo que era mau caráter, tinha seu lado bom, o amor desapegado pela cega Carolina (Kika Edgar). Esta era cunhada da segunda esposa – já falecida, que não aparece na história – de Gerardo (Alejandro Tommasi), pai de Maripaz e Lucía. Gerardo tinha um filho pequeno, Alex (Diego Velázquez). Mas a realidade é que Alex era justamente o filho de Maripaz e Iván. Carolina, por sua vez, apesar da aparência frágil pela cegueira, nutria uma obsessão pelo sobrinho Alex, mesmo sabendo a origem do menino. Apesar disso, ela e Antolin faziam um dos melhores casais da novela.

Outro par que conquistou a simpatia do público foi formado pelos veteranos Anthony e Carlota. Anthony era o americano boa praça sempre com a palavra certa a dizer. Já Carlota, uma das personagens mais surpreendentes da trama, começa como uma senhora com vários podres do passado a esconder e, a medida em que reconhece seus erros, vai se transformando numa grande fortaleza para todos a seu redor.

FUERZA-04A parte mais insossa da novela estava na protagonista Lucía. Enquanto Iván tinha inúmeros conflitos, a protagonista era extremamente sem graça. Lucía era mais interessante na fase inicial, quando era interpretada por Renata Notni, do que na fase adulta, já defendida por Sandra Echeverría. E nem era por inabilidade da atriz. Mas Lucía era a mera “namorada do herói”.

As coisas melhoraram quando Lucía é dopada e violentada. Ela se casa com Camilo, e é quando o personagem de Gabriel Soto – importante, mas até então sem graça – cresce e ganha força como antagonista. Nunca foi um vilão, mas parecia em banho maria por um bom tempo. Assim, Camilo passou a movimentar boa parte da novela, em sua disputa com o melhor amigo Iván pelo amor da esposa. Além disso, Camilo se envolve com Maripaz – sempre ela! – para apimentar ainda mais o conflito entre os quatro protagonistas. Camilo cresce tanto que o último capítulo mostra mais a reconciliação dele com Iván do que alguma pendência entre Iván e Lucía. Já Maripaz morre antes do final, ao doar um rim para sua mãe Lucrécia – esta sim, uma das bruxas da trama – mas que também acaba redimida ao final.

La Fuerza del Destino, mesmo apoiada em um argumento clássico, pôde mostrar coisas diferentes do convencional. Na primeira etapa da trama, por exemplo, vemos a mãe do protagonista, Alicia, como uma mulher basicamente boa, mas repleta de erros no currículo. Havia se envolvido com um homem casado (Juan Jaime), de quem teve um filho que amava acima de tudo. Depois, ainda se envolve com Gerardo, seu novo patrão, que mantém a relação extra-conjugal com a empregada por anos. Ela engravida e decide tirar a criança em uma situação degradante, onde morre. Outro ponto diferente: já casados, Camilo e Lucía tem uma vida sexual ativa, coisa incomum em novelas mexicanas, onde o marido ou estaria paralítico ou impotente. Qualquer razão para que a mocinha só tivesse relações sexuais com o protagonista. Falando em impotência, David, apontado como homossexual no começo da trama, era apenas impotente, e isso foi abordado de forma nua e crua durante a novela.

FUERZA-05Algumas turbulências aconteceram nos bastidores da novela, sobretudo, na fase de castings. A atriz anunciada oficialmente para viver Maripaz era Claudia Alvarez, oriunda da TV Azteca, que chegou a participar de programas falando seu ingresso na emissora e nesta produção. Mas a produtora e a atriz se desentenderam e Laisha Wilkins a substituiu, já Claudia Alvarez acabou deslocada para o elenco de Dos Hogares, a trama das 9 naquele momento.

David Zepeda e Gabriel Soto não disputaram apenas Lucía, mas também o papel principal da novela. A princípio, Gabriel Soto foi anunciado oficialmente como o protagonista Iván e David viveria Camilo. Mas semanas depois, a produtora comunicou a troca dos intérpretes dos personagens. David Zepeda virou Iván, e Gabriel Soto, Camilo. A troca causou espanto, porque nas semanas anteriores, Gabriel Soto falou com alegria sobre aquela que era uma das melhores oportunidades da sua carreira. Já David Zepeda, fazendo média, disse que a decisão havia sido tomada pela produtora e pelo diretor Benjamin Cann, e que tanto Iván quanto Camilo eram os protagonistas. Rumores davam conta de que havia sido o próprio David Zepeda a insistir com Rosy Ocampo pela chance de protagonizar. Aquela seria sua primeira incursão como protagonista na Televisa. Já Gabriel Soto, sempre teve más experiências, como em Mujer de Madera (2004) e Querida Enemiga (2008), onde fora suplantado por outros galãs ao longo das tramas.

FUERZA-06Apesar das circunstâncias confusas que levaram a isso, David Zepeda por fim recebeu a merecida oportunidade de viver o protagonista e foi o ator ideal para viver o destemido Iván. Ele tinha beleza, talento, carisma e fez o público torcer pelo protagonista, dando veracidade ao herói perfeito, justo e íntegro. Já Sandra Echeverría fez o que pôde com sua Lucía. Foi curioso o alarde que causou sua contratação (a atriz vinha da Telemundo) para encabeçar o elenco, sendo que o personagem era o mais plano possível. Sandra Echeverría cantou o tema principal da novela junto a Marc Anthony.

O grande destaque do elenco foi Laisha Wilkins. O papel estava a sua medida, e não poderia haver intérprete melhor para Maripaz, que mesmo frívola, cativou o público do começo ao fim. Gabriel Soto viveu com dignidade o papel de Camilo, numa interpretação mais introspectiva. Como sempre seu visual oxigenado e excessivamente sarado destoa um pouco do personagem, mas tempos depois, o próprio ator reconheceu La Fuerza del Destino como uma das melhores experiências de sua carreira.

FUERZA-07Um grande momento, também, para a experiente Delia Casanova. Desde Cadenas de Amargura (1991), a atriz tinha um papel tão bom em mãos. E aqui, aproveitou toda e qualquer oportunidade para brilhar. D. Carlota era o tipo de personagem que “diz todas as verdades que as pessoas precisavam ouvir”. Um prato cheio para a atriz, que em várias ocasiões, elegeu este como um de seus projetos favoritos.

Kika Edgar, mais uma vez, pegou um personagem difícil e defendeu com extrema sensibilidade. Seu par, Marcelo Córdoba, também teve uma interpretação correta. Rosa Maria Bianchi voltou a ter um bom personagem com a megera Lucrécia.

O mesmo pode ser dito de Juan Ferrara, que ainda teve a oportunidade de repetir a parceria – ainda que de maneira breve – com Letícia Calderón, seu par em Valeria y Maximiliano (1991). Letícia, por sua vez, mesmo com poucos capítulos, brilhou como a controversa Alicia.

FUERZA-08Este viria a ser o último personagem do grande ator Pedro Armendáriz Jr., que faleceu em dezembro do mesmo ano aos 71 anos, vítima de câncer. Felizmente, pode-se dizer que Pedro teve um grande personagem de despedida. Não foi o mais marcante de sua trajetória, mas com certeza não foi algo irrelevante.

A verdade é que La Fuerza del Destino não foi um estouro de audiência, mas teve uma audiência estável num período onde a grade da emissora estava repleta de fracassos. Além disso, trouxe credibilidade a produtora Rosy Ocampo, já taxada pelas comédias de gosto duvidoso como La Fea Más Bella (2006) e Las Tontas no Van al Cielo (2008), ou a confusa Camaleones (2008). Rosy Ocampo abandonou o selo de “Novela de Vanguarda” de suas últimas duas novelas, para mergulhar numa novela clássica, e que ainda tinha o benefício de ser original. O estilo sóbrio do texto de Maria Zarattini casou perfeitamente com a produção colorida e solar de Rosy Ocampo, que valorizou a novela com as paisagens do estado de Sonora, no México, na direção de Benjamin Cann.

Confira o elenco da novela num vídeo exclusivo. Inscreva-se no Canal do Youtube!

9 comentários sobre “[2011] La Fuerza del Destino

  1. João Vitor N. Mendes

    Nossa! Eu amei muitooo essa novela, dificil encontrar algo que eu não curte nela. O mais legal foi que o propio Zepeda que entregou o premio de novela do ano para a Rosy no TvyNovelas! Se o Soto tivesse sido Ivan, seria facilmente apagado pelo ator que faria Camilo, sendo quem fosse, como acontecia com todos seus mocinhos ate ai! Gostei muito mesmo dessa novela, pena que o outro casamento do Zepeda e da Rosy (Mentir Para Vivir) foi um pavor!

  2. Diogo

    eu não concordo com uma parte…na parte do casamento da lucia com o camilo…sinto que a novela perdeu um pouco de fôlego…por um lado, houve uma história bem interessante com o estupro da protagonista que ela nem tinha ficado sabendo…por outro…como o camilo era um cara legal, ficou forçada uma certa “vilanização” dele como marido mal amado da mocinha…mas de resto…achei uma ótima novela…mto bem produzida…acho que a atriz ideal na época para ter vivido a Lucia seria Ludwika Paleta…Sandra nem era da televisa…além disso, nem parecia em nada com o resto da família (mas desde quando eles ligam pra isso?)

  3. João Vitor N. Mendes

    Achei a Sandra muito bem de Lucia, o premio de melhor atriz do ano que ganhou foi merecido!

  4. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Mas eu acho que ela atuou bem (não sei se pra um prêmio), apenas o papel não tinha grandes voos.

  5. Lucas

    Ta aí uma novela que ainda quero muito ver! Todos elogiam e não é preciso ser muito inteligente para perceber que não é em vão. Um elenco afinado, com nomes que já estamos acostumados agora, como David Zepeda, Marcelo Córdoba, Ferdinando Valencia, sem falar nos veteranos, sempre competentes, como já citato, e uma produção e um texto de bom gosto.
    La Fuerza del Destino parece ser uma novela bem estruturada e que, com razão, marcou um giro na carreira da Rosy Ocampo.

  6. Felipe Rodriguez

    É um sonho poder ver esse mais recente clássico da Televisa aqui no Brasil, “La Fuerza del Destino” tem praticamente todos os bons elementos para ser considerada um novelão, adoro histórias de amor clássicas, “La Fuerza del Destino” também tem muita qualidade, não é a toa que ganhou o prêmio de melhor novela do ano e muito merecidamente, gostei do casal Sandra Echeverría e David Zepeda como Lucía e Iván, nessa produção Rosy Ocampo se superou completamente, sem falar no lindo tema de abertura, novelão de primeira!

  7. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    “La Fuerza del Destino” é, ao meu ver, uma das melhores novelas recentes da Televisa, pois foi redondinha! Tem esse porém que eu cito sobre a personagem da Sandra Echeverría, mas fora isso…

  8. Reila Cinalli

    No geral eu gostei, teve lá seus problemas mas apresentou um enredo diferente.

  9. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Oi Reila, eu gosto do quanto o argumento é clássico e eles souberam, no texto, e em algumas situações, deixar a novela com cara de moderna.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *