[2012] Abismo de Pasión

Uma inesperada vaga fez a produtora Angelli Nesma migrar para o horário mais concorrido da TV mexicana. Para não fazer feio às 21h, ela não quis errar, e recorreu ao remake de um grande sucesso dos anos 90, e assim, Abismo de Pasión reergueu a audiência naquela faixa.

Na trama, que se passa em “La Ermita”, Carmina vive com a irmã Estefanía (Ludwika Paleta) e o cunhado Augusto Castañón (Alejandro Camacho), por quem é apaixonada. Como não pode tê-lo, vira amante do rico Rosendo Arango (César Évora), casado com Alfonsina (Blanca Guerra), mulher ciumenta e insegura. Estefanía descobre o romance e tenta impedir que os dois fujam juntos, mas ela e Rosendo morrem em um acidente de carro. A raiz disso, toda cidade pensa que os dois é que eram amantes. Essa dúvida é alimentada por Carmina, que consegue casar com o cunhado. O fato torna as duas famílias inimigas, e faz a amizade dos filhos dos casais se romperem. Anos depois, Elisa Castañón (Angelique Boyer) sofre com o desprezo do pai Augusto, casado com a tia, que alimenta no marido a dúvida sobre a paternidade de Elisa. Sua vida muda com o regresso de Damián Arango (David Zepeda), e a amizade infantil se torna um profundo amor. Mesmo com muitos obstáculos: a oposição das famílias, e o sentimento sincero do jovem Gael (Mark Tacher) por Elisa.

ABISMO-08A princípio, o projeto era para o horário das 19h, e alguns atores já estavam pré-escalados. Os protagonistas Ariadne Díaz e Sebastián Zurita, e Alexis Ayala como Augusto. Com o fracasso e encurtamento de Dos Hogares (2011), o projeto cresceu e foi enviado para às 21h. Assim, Alexis Ayala seguiu na novela, mas em outro personagem. Ariadne Díaz foi substituída por Angelique Boyer. Sebastián Zurita foi retirado da novela por influência do produtor José Alberto Castro, que na época, mantinha uma relação com Angelique e tinha ciúme por Sebastián ser o ex dela.

A história original era de Caridad Bravo Adams, que na adaptação de José Cuauhtémoc Blanco y María del Carmen Peña ganhou contornos próprios e se transformou em Cañaveral de Pasiones, o grande sucesso de 1996. As tramas desses autores possuem características específicas e são facilmente identificáveis – mesmo quando nascem de originais de outros autores. E o sucesso de Soy Tu Dueña (2010), onde Kary Fajer tomou a adaptação desses autores para La Dueña (1995) para praticamente reproduzir com um mínimo de alterações impulsionou que também se produziria um remake de Cañaveral de Pasiones. A adaptação de Abismo de Pasión correu a cargo de Juan Carlos Alcalá e fuzilou a adaptação de 1996, com adaptações mínimas. O suficiente para transformar 96 capítulos em 161.

ABISMO-02O que se viu foi uma novela vigorosa, e que teve fôlego, mesmo com a história tão presente na cabeça do público. Isso deflagrou dois pontos antagônicos sobre esse tipo de adaptação: as tramas desses autores fazem sucesso, mesmo repetidas vezes e é até curioso quando se clama tanto por originais, surgem remakes quase sem alterações e ainda sim vão bem. Por outro, o ritmo de 2012 já mostrou que uma primeira fase tão longa quanto à de Cañaveral de Pasiones já não prende tanto o telespectador. Tanto que a novela de fato incrementou sua audiência a partir da segunda fase. Alguns erros acontecem quando se estabelece uma primeira fase longa: os protagonistas eram as crianças, e o público tem pressa de ver a história já do ponto onde ela realmente importa. Pra que 12 capítulos para explicar os antecedentes?

Com a espinha dorsal praticamente intacta, estavam lá todos os elementos que prenderam novamente a atenção do telespectador: o amor impossível entre os protagonistas, as famílias inimigas, os melhores amigos apaixonados, o vilão astuto e manipulador, os padrinhos bonzinhos, e as inúmeras mortes ao longo do caminho. Os principais pontos de interesse da trama era o núcleo da amizade das quatro crianças, balançada pelas disputas amorosas da fase adulta, e as complicadas relações entre Augusto e sua filha Elisa, sempre envenenada pelas intrigas de Carmina. A mudança mais profunda foi aumentar a participação do personagem Augusto, talvez como manobra para que Alejandro Camacho aceitasse o papel. O papel por si só já era importante, mas aqui sua participação aumentou e lhe foi acrescida uma parte inédita, com uma novidade: a jovem e sedutora Kenia (Esmeralda Pimentel) se envolvia com Augusto, além de ser meia-irmã de Gael e filha de Ingrid (Issabela Camil), a ex-amante de Rosendo. Kenia era uma personagem interessante, porque transitava entre vilã e boazinha. Um acerto da adaptação, já que o romance dela com Augusto fez sucesso e movimentou a novela. Um erro porque a personagem foi assassinada (por cumprir sua função na novela, não devido a fatores externos), e a personagem podia ter rendido mais. O verdadeiro motivo da saída de Kenia foi o medo de alterar demais a história original e gerar efeitos colaterais irreversíveis. A ideia dessa adaptação era apostar pelo certo.

ABISMO-03Outro personagem novo era Horácio (Armando Araiza), uma espécie de vagabundo de caráter fraco, que causava a morte de Blanca (Dacia González), a madrinha de Elisa, partindo o coração de seu marido, Lucio (Eric del Castillo). Horacio também se envolvia com Lolita (Eugenia Cauduro), a empregada dos Castañón e grande defensora de Elisa. Na segunda fase da novela, Lolita se interessava por ele, quando na original, ela tinha um sentimento velado pelo patrão.

Outra alteração: No passado, o vilão Gabino (Salvador Zerboni) havia engravidado Toña (Vanessa Arias), a empregada dos Arango. Ela havia se casado com o peão Braulio (Francisco Gattorno), separando-o de Lolita. O filho de Toña era o problemático Vicente (Adriano Zendejas), que vivia dando dor de cabeça. Esse filho era a novidade da adaptação de 2012 (em Cañaveral era uma criança sem trama).

E todas as subtramas que estavam na original, foram preservadas, sendo mais encorpadas para assim esticar a novela. Havia ainda o núcleo do Dr. Edmundo (Alexis Ayala), médico local, seduzido por Carmina, e vítima do ciúme doentio da esposa Begoña (Nailea Norvind), fofoqueira oficial da cidade. Os filhos dos dois, Enrique (Alberto Agnesi) e Sabrina (Jade Fraser), se envolviam com a família Landucci. Este núcleo era composto por Florencia (Altair Jarabo), a noiva de Damián – que teve uma participação bem ampliada em relação ao original; seu pai, Guido (Ricardo Dalmacci), e seu tio canalha Paolo (Sergio Mayer), que envolvia além de Sabrina, Carmina. Aqui outro comentário: enquanto Florencia e Paolo eram sobrinha e tio em Abismo, em Cañaveral eram irmãos, mas nada que alterasse o rumo da trama.

ABISMO-04Nos últimos capítulos, Angelli Nesma prometeu que o final de Carmina seria algo nunca antes visto… Mas quando chegou o capítulo final, o desfecho da personagem foi milimetricamente igual ao do remake de 1996. Até as tomadas eram idênticas! Apesar disso, o capítulo teve uma expressiva audiência.

A escalação do elenco gerou inúmeras controvérsias. Uma das mais absurdas, por exemplo, era que Azela Robinson chegou a ser cotada para viver Carmina, quando a própria havia sido Dinorah Faberman em 1996! Diante do absurdo, isso foi corrigido. Mas César Évora lá estava fazendo o mesmo papel, só com 15 anos a mais. Ou seja, se era absurdo escalar Azela Robinson pro mesmo papel, por que não seguiram o mesmo critério pra César Évora? Ainda nos estranhamentos do elenco: Ludwika Paleta fazia par com Alejandro Camacho tendo 25 anos de diferença. Mas, superado isso, havia outra escalação curiosa: Sabine Moussier era irmã dela, sendo que as duas tem traços e tipos completamente diferentes! E, pra completar, o sarado Salvador Zerboni era Gabino, mas o ator é inclusive mais jovem que Mark Tacher ou David Zepeda, por exemplo. Aliás, inclusive em aparência, David Zepeda destoava de Angelique Boyer, Mark Tacher e Livia Brito, sendo que todos deveriam ter idade similar.

Apesar dos pesares, o elenco deu boas atuações. Angelique Boyer soube se livrar do estigma de ter vivido a personagem-título Teresa (2010), trazendo dessa personagem a sensualidade – que é inerente à atriz, e ela soube tirar proveito. Foi uma boa protagonista. David Zepeda já foi mais previsível como o herói da novela, e foi ofuscado por outros personagens.

ABISMO-05Mark Tacher teve uma participação excelente como Gael. Curiosamente, na original, o personagem – então defendido por Francisco Gattorno – também chegava a chamar mais atenção que o protagonista. Aqui, o fato se repetiu. Lamenta-se que esse personagem ainda não foi o suficiente para torna-lo um protagonista dentro da emissora, pois como Gael, provou ter todas as qualidades para tal. Era bonito, forte, talentoso e carismático. Livia Brito também se destacou como Paloma, e provou que poderia merecer uma chance como protagonista.

Sabine Moussier, oxigenada e muito má, foi um dos grandes destaques. Carmina reunia as principais características que Sabine domina: a vilã ambiciosa, promíscua, sensual e muito endiabrada. A atriz deitou e rolou e qualificou este como um de seus melhores personagens – o que é verdade. Não desperdiçou uma cena sequer.

Os atores maduros também chamaram atenção. Alejandro Camacho disse que aceitou o personagem porque ele fugia de tudo o que havia feito na TV. E, de fato, era verdade. Geralmente estigmatizado como vilão ou protagonistas rudes, aqui era um homem simples, fraco, com uma carga dramática forte. E o ator saiu-se muito bem. Existiu até um certo exagero no seu visual. Na segunda fase, quando o personagem estava falido, seu óculos estava o tempo todo quebrado!

ABISMO-06Blanca Guerra incorporou Alfonsina retomando a linha de vilãs imposta pela atriz: mulheres duras, mas não vilãs previsíveis. A segurança desse par de atores em seus personagens conferiu respeito ao projeto. Nada, porém, que justificasse os primeiros créditos para eles. Alejandro Camacho, por sinal, ficou apenas até a metade (por conta da história).

Eric del Castillo fez o típico personagem bonachão que lhe cabe sempre, com bastante carisma. O mesmo pode-se dizer de Eugenia Cauduro, que fez um personagem diferente do habitual, uma mulher simples, sem ambições. René Casados praticamente reprisou o papel de padre que havia feito em Fuego en la Sangre (2008). Uma diferença da original: aqui, o personagem morria nos últimos capítulos pelas mãos de Carmina. Em 1996, ele ficava até o final, casando os protagonistas no último capítulo. Raquel Olmedo, como Ramona, saiu-se bem, mas o papel era também um déja vu para quem a assistiu em Esmeralda (1997) ou Mar de Amor (2009).

Altair Jarabo fez um papel repetitivo como Florencia. Suas vilãs nunca são tão más, funcionam mais como antagonistas – tanto que geralmente se regeneram no final. Aqui, aconteceu o mesmo, gerando inclusive uma torcida por seu romance com Enrique no desenrolar da história.

ABISMO-07O erro da escalação foi Salvador Zerboni. Trazido à Televisa como astro por ter participado de La Reina del Sur (2011), o ator era fraco, tinha um físico esquisito, e ainda estava estranho naquele papel. Vale lembrar que o papel original fora vivido por Roberto Ballesteros, um homem mais velho (já que inclusive tinha uma filha adulta na trama). Mesmo entre exageros, Issabela Camil fez uma incursão interessante como Ingrid, uma mulher de reputação duvidosa.

Agora, houve também uma parcela de atores queridos, mas com papéis aquém da importância deles. Francisco Gattorno, que foi tão célebre em Cañaveral de Pasiones como Juan de Dios, viveu Braulio, o peão apaixonado por Lolita. Até aumentaram consideralmente a participação do personagem, mas ainda era muito pouco. Que dizer então de Nailea Norvind, que vinha de uma personagem excelente em Para Volver a Amar (2010) e aqui fez um papel tão desinteressante, bobo e pequeno.

A grata revelação da novela foi Esmeralda Pimentel como Kenia. Uma jovem atriz com um rosto diferente, uma beleza promissora e um talento impressionante. Fez uma participação marcante. E na primeira fase, vale destacar os trabalhos de Ludwika Paleta – sumida da TV, e aqui linda e carismática – e Briggitte Bozzo, a Elisa criança, que emocionou o público.

ABISMO-01Angelli Nesma fez aqui uma de suas melhores produções no quesito técnico. A parte de um excelente elenco de astros, misturando revelações e atores consagrados, cenários muito bem acabados, inúmeras externas, etc. Também merece destaque a fotografia da primeira fase da novela, e a iluminação (aqui, diferente de muitas novelas, dia e noite eram diferenciados pros iluminadores). O tema musical – Solo un Suspiro – fez muito sucesso, interpretado pelos finalistas do programa La Voz México (o The Voice local): Óscar Cruz e Alejandra Orozco.

Abismo de Pasión colocou Angelli Nesma com louvor no horário das 21h. Mais do que uma novela com qualidade, foi uma novela entretida, muito movimentada, e que por isso, alcançou o sucesso em tempos turbulentos.

Confira abaixo um vídeo com o elenco da novela!

23 comentários sobre “[2012] Abismo de Pasión

  1. Kleber

    Sou meio lesado , mas nunca entendi o título dessa novela. O Abismo se refere a algum lugar? kkkkkk

    Bem, foi uma novela que recuperou a faixa, colocou a Angeli no horário nobre com louvor mas não me dá a mínima vontade de ver…

    Talvez por já ter enjoado dessas histórias parecidas como Canavial/Manancial…Enfim

  2. Rauoni

    Assisti somente os primeiros capítulos, mas pretendo retomar em breve porque eu simplesmente adoro a história devido ao fato de ter assistido todas as vezes que o SBT exibiu sua versão. Depois de ler, fiquei mais curioso em ver pelo fato das alterações que houveram!

  3. João Vitor N. Mendes

    Como eu amei essa novela quando passou, achei muito fantastica, mesmo conhecido a historia decorada rs! Descordo que o Zepeda tenha sido ofuscado, achei um otimo mocinho, alias, eu torcia por ele antes de torcer pra Elisa, e isso quase nunca acontece comigo rsrs! Sabine divou como Carmina, não tinha outra melhor pro papel. Não sabia que a Ariadne tinha sido escalada para o papel, eu tinha visto que era a Altair que iria fazer a Elisa! As tramas da Kenia e do VIcente foram muito interessantes e muito bem construidas. Eu li que a Esmeralda saiu da novela pra ser a vilã de Cachito De Cielo, que estreou quando Abismo ainda estava no ar! A trilha sonora foi outro encanto, principalmente o tema da Elisa e do Damian <3 Novelasso!

  4. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Oi Kleber… O abismo se referia à gruta com uma cachoeira onde as crianças nadavam.

  5. Gisele

    Eu gostei muito dessa versão, mesmo com as alterações que tiveram, na minha opinião foi um bom remake de Cañaveral de Pasiones. Adoro Sabine Moussier como vilã e também simpatizo com a atuação de Livia Brito que vem recebendo destaque nas telenovelas nos últimos tempos. René Casados novamente interpretando um padre (como em Fuego en la sangre), Cesar Évora repetindo seu papel da primeira versão e a grande Raquel Olmedo sempre me surpreendendo.

    Enfim, é uma das novelas que está na minha lista de favoritas.

  6. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Eu também amo a Sabine! Essa é uma das atrizes que não canso de ver fazendo o mesmo papel…! Curioso né?

  7. Gabriel silva

    Essa novela realmente é muito boa! Tanto que o sbt fez um remake kk
    Não entendi pq ela teve uma vaga inesperada?
    Achei o David zepeda um pouco velho pra a angelique, Sabine mais uma vez fez uma Vilã e ela sempre arrasa!

  8. Kleber

    Obrigado Thiago. Acho que a Sabine sempre se reiventa!

    Gostaria de vê-la em uma comédia ou em algum papel tipo uma freira, ahahahha

  9. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Então Gabriel, a vaga inesperada era porque Dos Hogares ia durar um tempão…E a novela que a Angelli Nesma preparava era pras 19h… Como cortaram Dos Hogares e não tinha nenhuma produção iniciada, ela ganhou o posto. Até porque, o trabalho anterior da Angelli (Llena de Amor) não foi nenhum sucesso… Ela foi promovida às 21h por obra do destino.

  10. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Kleber, se você bem lembra, Sabine participou de Las Tontas no Van al Cielo, e a princípio, o papel pintava diferente… Mas acabou caindo no mesmo de sempre. Ta aí, um dos poucos papéis que não curti dela.

  11. Gabriel silva

    Obrigado Thiago, gostaria de saber se Vc gostou do remake do sbt?

  12. Gisele

    Desde de Entre el amor y el odio a Sabine emplacou o mesmo estilo de personagem, interpretando ótimas vilãs a partir daí. Mesmo que na primeira exibição da novela La madrasta ela não se destacou como uma vilã, na segunda exibição com o outro final gravado, acabou não fugindo desse seu destino.

  13. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Oi Gabriel, tudo bem? Então… Não acho ruim… É que tem algumas escalações que eu odiava… Tipo o galã eu achava sem graça… A Débora Duarte – que era a mais estrela – um pouco exagerada… Mas gostava muito da Helena Fernandes como vilã. A novela era considerada bem feita na época… Hoje em dia reprisa, eu acho tudo cor de rosa, uma fotografia chapada, estranha… Mas lembro que na época eu e amigos tínhamos um site e fomos convidados pra cobrir a coletiva de imprensa da novela!

  14. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Então… É que aquela reprise de La Madrastra não fez sucesso… E considerando que só os dois últimos capítulos foram alterados, não considerei que isso tenha destacado a Sabine… Não é um dos seus melhores papéis porque haviam muitos vilões na novela, então a maldade tava bem dividida. Os papéis que eu AMO dela são El Privilegio de Amar (1998), Entre el Amor y el Odio (2002) e Abismo de Pasión (2012). E tem os que eu gosto: Maria Isabel (1997), Piel de Otoño (2005), La Madrastra (2005) e Mi Pecado (2009). Minto… Amo todos! hehehe

  15. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    PS Gisele: o primeiro papel nesta linha que conhecemos da Sabine hoje, foi no remake de El Derecho de Nacer em 2001. Ela fez um papel bem ao estilo dela, e num papel que não existia na versão original da novela!

  16. Lucas

    Toparia ver essa novela, mas tendo em vista tantas tramas que para mim são inéditas, Abismo acaba indo pro final da fila. Não sabia que o salvador era tão jovem. Apesar de atraente, ele tem um cara de velho hahaha.
    E outra coisa: esse papel do Armando Araiza realmente não existia em Cañaveral? Porque em Canavial de Paixões teve um papel muito similar, interpretado pelo hoje global Marcelo Médici.

  17. Kleber

    Cara de cavalo velho, se superou em Lucas…kkkkkkkk

    Tinha até esquecido de tontas, Thiago…

    È que essa novela foi tão zzzzzzz

  18. Diogo

    parece que sim tinha o papel do armanzo araiza…mas era algo mínimo que aqui cresceu mto…
    sobre Abismo de Pasión…achei uma novela mto boa…trama boa…amor impossível, segredos do passado…enfim….a história é bem conhecida aqui de tanto q o sbt reprisa canavial…

    Achei essa uma versão mto boa da história…pecou um pouco na violência exagerada de algumas cenas…mas o elenco é ótimo, mesclou atores consagrados com umas caras diferentes…já alguns foram escalações bem óbvias, por ex: raquel olmedo (é igual a dominga de esmeralda)

    gostei de Angelique Boyer fugindo completamente da Teresa e mostrando outra coisa…e dando certo! diria que…da nova geração, sem sombra de dúvidas ela, maite perroni e ana brenda são as que mais deram certo como protagonistas

    sim o david zepeda era um amigo que “envelheceu” um pouco mais q os outros…mas nada q afetasse de fato a novela…Blanca Guerra é uma atriz que não posso de forma nenhuma chamar de ruim…proém acho meio sem carisma…mas estava bem

  19. Leandro Moura

    O César Évora, apesar de ser um de meus atores preferidos, não deveria ter repetido o mesmo papel que ele fez em Cañaveral. Mesmo que seja uma ideia enganosa, não dá pra engolir ele e a Ludwika Paleta como amantes. Ficou forçado demais! Aliás, eu detesto a mania que a Televisa colocar os mesmos atores interpretando os mesmos personagens em duas fases diferentes. Deveriam ter colocado logo atores diferentes pra interpretar os papéis da Sabine, do César, da Blanca e do Camacho. Ocorreu algo assim em Triunfo del Amor e foi verdadeiramente bizarro: Daniela Romo e Eduardo Santamarina interpretaram os pais do personagem do ator argentino Diego Olivera, sendo que ele tem a mesma idade do Eduardo e somente 10 anos a menos que a Daniela Romo. Nem forçando muito a amizade daria pra engolir algo absurdo assim! kkkkkkkkkkkkkkkk

  20. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Como citei… Lembro que a Azela Robinson foi seriamente cotada pro papel de Carmina, que ela já havia feito em Cañaveral. Aí uma boa alma se deu conta de que ela já havia vivido esse personagem e surgiu o nome Sabine Moussier. Acertaram por aí, e puseram César Évora… Será que nem ele poderia ter dito “Eu já fiz esse papel”. Entre ele e Azela Robinson, mil vezes repetir ele, que ao menos era apenas no começo da novela.

  21. higor evangelista

    gente achei elenco bem feio david zepeda o damiam , mark tacher o Gael, eles são feios e velhos para os personagem ,angelique boyer achei bonita como sempre , livia brito, e sabine na pele na vila carmina demais –* esse esticamento na novela será que novela ficou melhor ou pior ?167 capitulos e muita coisa.

  22. higor evangelista

    david zepeda o damiam , mark tacher o Gael, não compreenderam a idade dos personagens ficaram muitos velhos para os personagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *