[2007] Lola Érase una Vez

A ideia era recriar novamente um fenômeno infanto-juvenil, mas dessa vez, ficou mais na tentativa. Lola Érase una Vez foi o trabalho de Pedro Damián que se seguiu a Rebelde, mas nem de longe teve o mesmo sucesso.

A história, obra original de Cris Morena, narra as aventuras de Lola (Eiza González), jovem órfã que, por meio de alguns mal entendidos, vai parar na Mansão Von Ferdinand, onde se torna babá das crianças, e pouco a pouco, ganha o coração de todos os membros da família, principalmente de Alexander (Aaron Díaz), o filho mais velho dos Von Ferdinand, e que ficou a cargo de seus irmãos depois da morte dos seus pais. Mesmo com inúmeras confusões, Lola e Alexis se apaixonam, mas há Carlota (Grettell Valdez) no caminho dos dois. Ela é a noiva de Alexis, e junto com sua mãe, Montserrat (Lorena Herrera), tramam armadilhas para afastar Lola da mansão. Além de querê-la longe de Alexis, Carlota descobre que Lola é sua meia-irmã, e que tem direito a parte de sua herança. Mesmo com tantos empecilhos, o amor de Lola e Alexis torna-se cada dia mais forte.LOLA01A história era claramente inspirada em A Noviça Rebelde, filme de 1965 e que consagrou Julie Andrews na mesma situação de babá de uma tropa de muitas crianças travessas, e conquistava o coração do patrão autoritário. Foi esta a inspiração de Cris Morena a produzir Floricienta na Argentina em 2004. A história repetiu os moldes de Rebeld Way (2002): foi feita para ser exportada e ganhar mil versões ao redor do mundo. Rebeld Way triunfou como Rebelde (2004), na Televisa, superando a repercussão mundial da original. Até por isso, foi natural o interesse de Pedro Damián pela obra. Mas Lola Érase una Vez não teve a mesma sorte.

A novela entrou no ar em 28 de fevereiro de 2007, substituindo a juvenil Código Postal (que também não havia feito sucesso). Duas semanas depois, aconteceu uma situação inédita. A novela foi parar às 20h do Canal 5, outro canal do grupo Televisa, mas que até então, jamais havia recebido novelas. Já no Canal 5, a novela não teve a mesma repercussão que teria no Canal de las Estrellas, mas conseguiu registrar recordes de audiência para o canal até então.

LOLA01Um dos problemas é que o lançamento da novela foi como uma novela juvenil, sendo que ela atendia, sobretudo, ao público infantil. Muita magia, alusões a princesas, príncipes e bruxas faziam mais sentido como uma novela infantil. Ao mesmo tempo, que sim, existiam vários romances juvenis na mesma. Dentro desse contexto, Pedro Damián soube explorar o conceito da original, dando sua experiência ao produto. Remodelou toda a trilha da novela (apenas a música Flores Amarillas foi mantida), dando um ar mais rock, e um pouco menos infantil. Tanto que o tema principal, Si Me Besas, flertava com um rock, e o segundo tema de abertura, Masoquismo, foi uma balada romântica que fez bastante sucesso. Ainda assim, ficava uma confusão: Lola Érase una Vez não atendia o público das novelas juvenis, mas para o público infantil, soava menos açucarada do que deveria.

Apesar dos pesares, a equipe seguiu a linha da história, recriando todos os elementos que fizeram parte do sucesso original. Na parte lúdica, Lola falava suas fadinhas (feixes de luz que estavam no jardim da mansão Von Ferdinand e que ora ou outra, ajudavam a heroína), os apelidos dados aos personagens (Montserrat e Carlota, por exemplo, eram chamadas de bruxas, e Alexander de Don Refri – uma referência ao quanto ele era gélido), e todas as alusões de que Lola era uma princesa, Alexander um príncipe, e até Milagros (Tiaré Scanda) seria sua fada madrinha – ela havia criado Lola após a morte da mãe, e estava sempre disposta a defendê-la das armações de Montserrat.

LOLA04Outro ponto crucial da novela é que de fato, a história caminha para que a torcida seja totalmente a favor de Lola e Alexander. A princípio, de que ele reconheça que está apaixonado por ela, depois para que finalmente fiquem juntos. Nesse sentido, pode-se dizer que mesmo a novela não tendo tipo a repercussão esperada, o que estava dentro dela funcionava: protagonistas carismáticos, vilãs atrapalhadas e divertidas, história ágil e dinâmica (a novela tinha a trama principal, e as várias tramas pontuais que se desenvolviam em poucos capítulos). Assim, a novela tanto intercalava os desencontros amorosos entre Lola e Alexander, como o mistério sobre a origem de Lola, o desaparecimento de seu pai, e as maldades de Montserrat para não dividir a herança com Lola.

A versão original, Floricienta, ganhou inúmeras versões ao redor do mundo, sendo uma delas no Brasil, pela Band, em 2005, com Juliana Silveira e Roger Gobeth nos papéis centrais. Uma história omitida na versão brasileira, mas mantida na mexicana, era o envolvimento de Marion (Natasha Dupeyrón), a irmã rebelde dos Von Ferdinand, com Patrick (Alberto Agnesi), o melhor amigo de Alexander, pelas costas dele. A versão brasileira foi o mais infantil possível – portanto, essa era uma história “proibida”.

Mas talvez a mudança mais drástica veio ao final. Logo que começou a ser pensada, os fãs de Floricienta já previam que Lola Érase una Vez também teria uma segunda temporada com uma mudança drástica – e que sempre causava polêmica. No final original, Alexander morreria, e a segunda temporada teria um novo galã, um Conde. Mas no México decidiu-se que não haveria segunda temporada e que a novela terminaria com Lola e Alexander sim ficando juntos. Nos últimos capítulos, o Conde Máximo (Patricio Borghetti) aparece. Logo em seguida, Alexander é atropelado para salvar a vida deste. Deus (aqui chamado de Excelsior Maximus – vivido por Enrique Rocha, numa participação especial) concede tempo a Alexander para que ele possa se despedir de Lola. Enquanto na original, ele morria de fato, na versão mexicana, ele consegue sobreviver e no último capítulo reencontra Lola num baile de espume (tal e qual o primeiro encontro dos dois).

LOLA02Em Floricienta, a cena final da primeira temporada era o baile de espuma, mas com Lola encontrando o Conde. Neste final, o Conde vai para seu reino, transforma Montserrat e Carlota em criadas, e ainda fica com uma Cinderela (Maite Perroni, em participação especial).Para quem queria mais, ficou a ver navios, mas ao menos, o par original foi mantido. A novela também teve apenas uma temporada na versão colombiana, enquanto na portuguesa, foram duas.

Apesar dos pesares, a novela chegou a fazer um relativo sucesso entre o público consumidor de produtos com a marca Lola Érase una Vez: os discos foram bem vendidos, outros produtos licenciados também, e até mesmo os shows – mas sem o impacto que o RBD teve, obviamente. Aliás, o próprio RBD participou de Lola Érase una Vez (sim, mesmo com a participação de Maite Perroni ao final da novela). A novela ainda contou com as participações especiais de Kudai, Miranda, entre outros.

O elenco de Lola Érase una Vez era básicamente uma amálgama entre os elencos de Clase 406 (2002) e Rebelde, as duas últimas produções de Pedro Damián. Aaron Díaz, Grettell Valdez, Beatriz Moreno, Eddy Villard, Zoraida Gomez, Derrick James, Tiaré Scanda, Karla Cossío, Eleazar gomez, e até mesmo Enrique Rocha, Patricio Borghetti e Maite Perroni. Mas basicamente foi o elenco de Lola Érase una Vez um dos pontos altos da novela.

LOLA06A protagonista foi escolhida por meio de castings e optou-se por Eiza González, uma jovem de 16 anos. Ela era até relativamente nova para o papel, mas de fato, tinha o carisma para ser Lola, e algo que foi benéfico aqui: um rosto desconhecido. Muito carismática, ela tinha presença para as cenas ternas e de comédia – sobretudo, sempre inquieta, franca e espontânea. Após esse trabalho, ela seguiu voltada para uma linha juvenil por um bom tempo (inclusive em Sueña Conmigo, coprodução da Televisa com a Nickelodeon, ela também fazia as vezes de atriz e cantora na novela). Mesmo recebendo críticas por parte de fãs da Floricienta original, Eiza manteve-se firme e realizou um bom trabalho, tanto como atriz, como cantora.

Aaron Díaz, mesmo sendo um ator limitado, defendeu bem o papel de Alexander, que representava justamente o galã à moda antiga – empostado, mais frio, menos dramático. Junto a Eiza González, projetaram a química ideal para que o telespectador se entusiasmasse.

Uma escalação controversa foi a de Lorena Herrera, sempre um tipo muito voluptuoso para qualquer personagem. Mas curiosamente, aos poucos, Lorena foi se encaixando no papel, sendo de fato, uma malvada engraçada e divertida. Já Grettell Valdez esteve exata no papel de Carlota desde o começo.

LOLA06Uma escalação curiosa foi a de Beatriz Moreno vivendo a russa Petra, sendo que a atriz tem traços tipicamente mexicanos. Pintaram seu cabelo, e ela usava um sotaque bastante carregado. Tiaré Scanda também teve aqui um papel já bem melhor que o dela em Rebelde. No original, a atriz que interpretava seu papel ficou doente e a personagem saiu da história. A Milagros vivida por Tiaré Scanda ficou até o final.

Merece destaque a atuação infantil do pequeno Octavio Ocaña, que encantou a todos como o caçula dos Von Ferdinand. De fato, entre os atores mirins, ele foi o que mais brilhou. O mesmo não se pode dizer do elenco juvenil, com atuações mais irregulares. A experiente Natasha Dupeyrón se saiu bem e conseguiu se destacar como Marion. Eddy Villard esteve bem. Derrick James cumpriu com a função de ser um galã. Agora, os atores que fizeram parte da banda que Lola fazia parte não tiveram boas performances e ficaram aquém do esperado. O mesmo pode-se dizer de Zoraida Gomez, mal escalada no papel de esquisita.

LOLA05Ainda que com alguns cenários simples demais, a produção de Lola Érase una Vez se esmerou em oferecer mais externas. Uma delas, bem importante, é a dos primeiros capítulos, com a viagem de Alexander e Carlota pela Alemanha. Em todas as versões essa viagem existe, mas a mexicana é a única onde – de fato – uma equipe gravou cenas no país.

A novela veio a ser o último trabalho da primeira atriz Blanca Sanchez, que viveu Nilda, a avó de Carlota (e consequentemente de Lola).

Confira abaixo um vídeo com o elenco da novela! Inscreva-se no canal do YouTube!

12 comentários sobre “[2007] Lola Érase una Vez

  1. viviane

    Após ler sua resenha fiquei super curiosa a respeito dessa novela e fui correndo para o youtube, até mesmo por que assisti a versão brasileira e eu era super apaixonada pela historia, e te parabenizo, pois sua resenha está incrível e eu estou mega viciada nas resenhas do site, já li todas . Mas se não for pedir muito gostaria que você fizesse resenha de La usurpadora, Cómplices al rescate e El diario de daniela. Amo essas novelas e queria ver sua análise sobre elas.

  2. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Viviane, que bom saber que você gosta assim das resenhas do blog e que te motivou a procurar capítulos da novela pra assistir! Espero que você goste. Eu, particularmente, gosto da novela! Acho simpática! Comparando com Rebelde (2004), por exemplo, gosto que Lola tem menos improviso de elenco!

  3. Diogo

    Sabe que talvez essa foi uma novela talvez certa na hora errada? pq ela seguiu até fielmente uma trama que funcionou em quase todas as versões…então pq não fez sucesso? motivos são vários…acho q talvez foi vendida como mto juvenil sendo q tinha muitos elementos infantis…ou vice versa? sinto q talvez o erro esteja aí

    Eiza Gonzalez….não é das minhas atrizes favoritas…mas diria q cumpriu sua função…também nao sei se seria o caso de colocar uma atriz famosa (na época)….era melhor um lançamento mesmo…nesse sentido…pedro damian foi feliz…

    a escalação q de fato desaprovo é lorena herrera…essa mulher tem uma imagem mto vulgar!

  4. João Paulo

    Gosto de Mais Do Seu Blog e Muito bem Escrito Detalhado Gostaria de Ver Sua Análise sobre Rosalinda obgd desde já

  5. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Acho que o erro morou aí: Não ficou claro pra quem era aquela novela! Mas… A mudança pro canal 5 eu diria que foi até precipitada… Ela tava indo mal, mas nos mesmos números de Código Postal. Pior: o que puseram depois, deu menos audiência ainda!

  6. nanda

    Oieeee amei sua resenha me deu curiosidade de ver a novela, bom acho que o maior problema da televisa é achar que uma novela juvenil tem q ter efeito especiais e fica ridículo. Mas mesmo assim me parece uma novela agradável de ver… Espero a próxima resenha de preferência triunfo do amor

  7. Luccas

    Tenho curiosidade nessa novela, até porque ADORO a Lorena Herrera e suas atuações exageradas, rsss… Em MI DESTINO ERES TU ela é praticamente uma travesti, hahaha, você podia falar dessa novela, hein? Ou já falou? Acho que sim, rsss.

  8. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Lucas, pode deixar, em breve Mi Destino Eres Tú terá sua coluna aqui!

  9. Almira Kerlys

    Olá! É a primeira vez que vejo deu site e já amei com essa resenha MARAVILHOSA de Lola Érase Una Vez! Eu particularmente amo essa novela, assim como amo Floribella! E até acho que a história dela foi bem melhor do que a original. Pena que ela não teve tanto sucesso assim ne? Eu sou muito fã da Eiza Gonzalez e como esse foi o primeiro trabalho dela, já achei maravilhoso! Eles com certeza deveriam ter essa novela dublada ou legendada para que mais pessoas aqui no Brasil conheçam (meamo já tendo a versão brasileira). Enfim, parabéns pela resenha, ficou muito boa mesmo!

  10. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Que legal que curtiu Almira! Eu assisti Lola e particularmente achei bem bacana… Acredito que não tenha funcionado pelos motivos que listei, porque qualidades a novela tinha!

  11. katyelly

    eu estou super curiosa para ver a novela, gostei da resenha, será que encontro esta novela e português?

  12. Thiago Fernandes Autor da Postagem

    Em português impossível, Katyelli, porque não foi dublada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *